Início Notícias “Quando me aposentar, quero voltar ao Flamengo”

“Quando me aposentar, quero voltar ao Flamengo”

Filipe Luís com troféu de campeão da Copa do Brasil 2022 pelo Flamengo – Foto: Gilvan de Souza

O GLOBO: Por Diogo Dantas e João Pedro Fragoso

Perder o pênalti e se tornar vilão de um vice-campeonato da Copa do Brasil, como ocorreu com Diego em 2017, não estava no roteiro de Filipe Luís. Um dos pilares da equipe multicampeã do Flamengo, o lateral de 37 anos discursou como um menino criado na base do clube após a conquista, e disse que quando se aposentar quer retornar para buscar títulos em outro cargo.

– Aqui você vai do céu ao inferno em uma semana. Você perde e é cobrado após dois jogos. Mas isso me dá prazer, não deixa descansar nunca. Essa geração é vitoriosa, mas não se conforma com o que foi feito no passado. Eu não consigo. Falei pro meu filho: olha esses troféus todos na prateleira. Já não vale nada, vale o de amanhã. Enquanto estiver aqui não vou descansar um segundo para conquistar títulos. Quando sair, quando me aposentar, também quero voltar para o Flamengo e conquistar títulos em outro cargo. Essa camisa é especial, o jogador se sente reconhecido, e sou um privilegiado – afirmou.

Após a vitória nos pênaltis sobre o Corinthians, o jogador já projetou a final da Libertadores, contra o Athletico, no dia 29, no Equador, fazendo valer o próprio discurso. Por isso mesmo despistou os questionamentos sobre uma possível renovação do contrato que termina em dezembro. Há discussões internas sobre a manutenção de Filipe por mais uma temporada, e o atleta deseja ficar mais um ano enquanto se prepara nos cursos para treinador.

– Depois da final da Libertadores várias coisas podem acontecer, com toda naturalidade. Seria uma falta de respeito negociar alguma coisa nesse momento – disse.

Filipe Luís acredita que a final contra o Athletico-PR seja a mais difícil desde 2019 no Flamengo. Mas de antemão quis tirar o peso não só da Libertadores, perdida no ano passado, como do Mundial, único título que essa geração ainda não possui.

– Falta o Mundial. Mas não falta só pra gente, falta desde 1981, todos que passaram aqui. Teremos oportunidade de conquistar mais uma Libertadores. Difícil chegar em duas seguidas. Se ganhar a Libertadores tem que passar pela semifinal do Mundial. Temos que corrigir e pensar no Equador. A final é um jogo completamente diferente. A tensão é outra, o nervosismo, o significado da conquista, a preparação para o jogo, o campo, o adversário, o árbitro. Jogo difícil contra o Athletico, contra um treinador campeão do mundo, que sabe jogar Copas – afirmou o lateral, se referindo a Felipão.

O Flamengo folga nesta quinta-feira e começa a preparação de olho no Athletico nesta sexta. No fim de semana, deve mandar um time alternativo para encarar o Santos, pelo Brasileiro.