Início Notícias Como final da Libertadores pode interferir no 2º turno da eleição

Como final da Libertadores pode interferir no 2º turno da eleição

Torcida do Flamengo na Ponte Velha do Galeão no AeroFla de 2021 antes da final da Libertadores – Foto: Gilvan de Souza

METRÓPOLES: Marcondes Brito

A grande final da Copa Libertadores da América, entre Flamengo e Athletico-PR, em Guayaquil, de alguma forma pode causar impacto no índice de abstenção do segundo turno da eleição presidencial no Brasil.

Isso porque o jogo será realizado no dia 29 de outubro, um dia antes do pleito, e, a priori, levará aproximadamente 60 mil torcedores para o Equador – entre cariocas e paranaenses – que já compraram pacotes para ver o último jogo do mais importante torneio de futebol da América do Sul.

Se levarmos em conta que esse contingente de torcedores só voltará para o Brasil no dia seguinte, já seria previsível dizer que isso contribuirá para atrapalhar a agenda de muita gente.

Mas não é só isso. Seja no Rio de Janeiro ou em Curitiba, o time que conquistar o título, com toda certeza vai aproveitar o domingo (30/10) para uma grande comemoração. No caso do Flamengo – que tem adeptos espalhados por todo o território nacional – será impossível conter a euforia.

Foi assim em 2019
Quando o Flamengo derrotou o River Plate, na épica final da Libertadores de 2019, o domingo, 24 de novembro, foi marcado por um desfile em carro aberto pelas ruas do Rio de Janeiro.

A Prefeitura preparou um esquema especial de trânsito, transporte, segurança e limpeza urbana para a festa dos Rubro-negros. Mais de 1 milhão de flamenguistas foram às ruas.

Pelos números da Prefeitura, foram cerca de 600 agentes, entre guardas municipais, controladores da CET-Rio e fiscais de estacionamento irregular da Coordenadoria de Fiscalização de Estacionamentos e Reboques (Cfer), além de equipes do Centro de Operações Rio (COR) e da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop). A operação começou às 6h, a partir do desembarque da delegação do Flamengo no aeroporto internacional Antônio Carlos Jobim até o deslocamento à Avenida Presidente Vargas, no Centro, onde ocorreu desfile em carro aberto.

Em resumo, esse é um cenário que deve se repetir, em caso de vitória do Flamengo. E se o campeão for o Athletico, algo semelhante a isso deverá acontecer em Curitiba. Para muitos fanáticos torcedores, a eleição provavelmente deixará de ser prioridade.

Menos mal que, nesses estados, não haverá 2º turno para governos estaduais. Ratinho Júnior (PSD) venceu no Paraná com 69% dos votos, e Cláudio Castro (PL) ganhou no Rio de Janeiro com de 58% dos votos.