Início Notícias Mancuso aponta fragilidade e ponto forte do time do Vélez

Mancuso aponta fragilidade e ponto forte do time do Vélez

Gabigol em Vélez Sarsfield x Flamengo – Foto: Marcelo Cortes

ESPN: Vinicius Ribeiro

O Flamengo encara o Vélez Sarsfield, nesta quarta-feira (31), às 21h30, com transmissão exclusiva pela ESPN no Star+, pela semifinal da Conmebol Libertadores. E o time rubro-negro recebeu dicas de um velho conhecido.

Ex-jogador do time carioca nos anos 90, Alejandro Mancuso conhece bem o time argentino. E destrinchou o rival do Rubro-Negro, mostrando defeitos e qualidades da equipe do Vélez.

Segundo o ex-jogador da seleção argentina, o trunfo do Flamengo está pela ala. Tudo por conta de uma fragilidade defensiva pelo lado esquerdo da defesa argentina.

Atualmente, a equipe de Cacique Medina tem Francisco Ortega no setor. Meio-campista de origem, ele atua como lateral-esquerdo na atual edição da Libertadores. Para Mancuso, ali é o mapa da mina dos cariocas para largar na frente na busca por uma vaga na final.

“Vélez é um time que do lado esquerdo tem um jogador, Ortega, que joga de lateral, mas sempre foi meia e sempre jogou na frente. Está colocado para que seja na parte ofensiva, que ataca muito melhor do que defende, mas defende muito melhor do lado direito, mas ataca muito melhor do lado esquerdo”, explicou.

“Depois, tem um meio de campo que joga muito bem. São muitos jogadores jovens, Orellana, por exemplo, que joga no meio campo. Tem dois jogadores, agora com a volta de Cáceres, volante com muita experiência. Então, acho que o Flamengo tem um jogo muito difícil”.

No entanto, para Mancuso, o confronto diante dos argentinos será bem mais tranquilo do que se fosse contra Athletico-PR ou Palmeiras. E ele explicou a razão que pode ajudar os cariocas.

“Se você quiser que eu escolha entre Palmeiras, Athletico-PR ou Vélez, escolho Vélez sempre. Prefiro o Vélez para fazer um jogo aberto, e não jogar contra Palmeiras ou Athletico-PR”, disse o ex-volante.

Para o argentino, outro trunfo que o Flamengo tem é o contra-ataque. Para Mancuso, a equipe do Vélez tem dificuldade em cadenciar o jogo, apostando sempre em uma proposta ofensiva com muita correria.

“A garotada vai para cima toda hora. Ganhou do River Plate indo pra cima. O River não conseguiu jogar. Acho que o Velez vai jogar da mesma forma. Eles colocam correria a todo momento. Sabem muito bem que se tomarem um gol é algo terrível. Mas Velez não sabe jogar cadenciando a partida”, alertou.

Perigo para os cariocas
Se a fragilidade defensiva pela esquerda e o excesso de correria podem ajudar o Flamengo, um outro fator pode ser um perigo: a pressão da torcida.

Para Mancuso, a punição imposta pela Conmebol à torcida do Vélez não é algo a se comemorar. Mesmo com o setor sul superior fechado, o ex-volante acredita em uma pressão fora do comum no José Amalfitani.

“Não vai ser um jogo fácil. Estádio estará lotado. O campo sente muito a torcida. São 40 mil que parecem 80 mil no Maracanã”, finalizou.