Início Notícias Flamengo poderia criar um complexo esportivo no Gasômetro

Flamengo poderia criar um complexo esportivo no Gasômetro

Projeto de estádio – Foto: Divulgação

O GLOBO: Por Rafael Oliveira

A ideia do Flamengo de construir um estádio onde funcionava o antigo Gasômetro, no Centro do Rio, voltou os holofotes para esta região. Localizado numa área que não conseguiu pegar carona no programa de revitalização Porto Maravilha, lançado em 2009, o espaço chama a atenção pelo seu entorno. Ele é vizinho de terrenos que, por estarem desativados ou até por interesse político, podem ser anexados para servir ao projeto rubro-negro. O GLOBO procurou saber a situação deles.

Um estudo de implementação do estádio feito pela Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (Cdurp) a pedido do deputado federal Pedro Paulo (apadrinhado do prefeito Eduardo Paes e candidato à reeleição este ano) aponta os terrenos vizinhos ao do Gasômetro que não são de propriedade privada. Ou seja: de negociação mais viável. Há equívocos nos nomes de alguns proprietários, mas as demarcações estão corretas.

Dois terrenos na parte inferior da imagem aguardam justamente a valorização através do programa Porto Maravilha. Ambos pertencem à Prefeitura do Rio. Um deles era da Cedae até janeiro de 2013, quando entrou numa troca com a gestão municipal, que o transformou em depósito. O outro, também da prefeitura, está sem uso há nove anos. Ali funcionou a antiga Usina de Asfalto, transferida para o bairro do Caju.

Mais de uma vez, o prefeito Eduardo Paes se posicionou publicamente como um apoiador do projeto de estádio do Flamengo na região. Logo, uma eventual anexação destes terrenos poderia ser discutida.

“Bora ajudar o futebol carioca. ⁦⁦Rodolfo Landim (presidente do Flamengo)⁩ já conseguiu minha autorização. Só falta a CEF doar o terreno sem cobrar pelo potencial construtivo! Mas tem que ser de verdade e com ‘papel passado’. Pronto aqui para ajudar. Contem comigo”, escreveu Paes em suas redes sociais, referindo-se ao espaço do Gasômetro, onde seria erguida arena, e que pertence à Caixa Econômica Federal.

Outro terreno, atrás do Gasômetro, também pode ser tornar parte de um eventual complexo. Embora no estudo da Cdurp ele seja atribuído à Polícia Militar, na verdade é um quartel do Exército. Na última segunda-feira, ao falar sobre o tema, o presidente Jair Bolsonaro (que também está em campanha para reeleição) sinalizou que a instituição pode abrir mão do espaço para o Flamengo.

“Liguei agora há pouco para o comando do Exército Brasileiro. Porque, vizinho ao Gasômetro, tem um quartel do Exército. Se for o caso, entra no pacote. Vamos atender ao Flamengo. Estudo de viabilidade está bastante avançado. Sem intermediários”, disse o presidente.

O terreno do Gasômetro pertence ao Fundo de Investimento Imobiliário Porto Maravilha, que é administrado e gerido pela Caixa Econômica Federal. O banco confirmou que teve uma reunião com Landim para discutir a possibilidade da construção do estádio. Uma das soluções estudadas, segundo fontes da estatal admitem de forma reservada, seria ceder o terreno e negociar com o Flamengo ganhos com bilheteria, direito de transmissão de jogos e venda de jogadores.

A localização é um ponto forte do Gasômetro. Na região central do Rio, fica próximo de diversas vias de grande movimentação: Radial Oeste, Avenida Brasil, Francisco Bicalho e a Ponte Rio-Niterói. No terreno em frente, a prefeitura do Rio vai construir um terminal intermodal de transportes públicos, com integração entre linhas do BRT e do VLT.