Início Notícias Dos melhores aos piores: um resumo do 1º turno de cada time...

Dos melhores aos piores: um resumo do 1º turno de cada time no Campeonato Brasileiro de 2022

Torneio chegará à conclusão do turno nesta segunda-feira (25), quando Coritiba e Cuiabá entram em campo para fechar a 19ª rodada

O Campeonato Brasileiro já se molda para a sua metade final. Na noite desta segunda-feira (25), Coritiba e Cuiabá se enfrentam, no Couto Pereira, às 20h (de Brasília), no que será o último jogo da 19ª rodada da competição, dando fim ao primeiro turno. 

Com metade do caminho andado, as predições da maioria das equipes já foram definidas. Quem luta pelo título, quem brigará por vagas diretas ou indiretas para a Copa Libertadores, quem lutará para não ser rebaixado… Em meio a esses caminhos, o Bolavip Brasil separa, aqui, um resumo do que foi a caminhada de cada um dos times na competição – incluindo os dois que fecharão a rodada nesta noite.

Reprodução/Sofa Score
Reprodução/Sofa Score – Tabela do Campeonato Brasileiro após os jogos de domingo (24)

Briga pelo título brasileiro nas primeiras posições

Nas primeiras 19 rodadas, o Palmeiras foi a melhor equipe da competição: em sua terceira temporada comandando a equipe, Abel Ferreira tem levado o time ao melhor rendimento, analisando semana a semana, desde a sua chegada ao Allianz Parque – 39 pontos em 57 possíveis (68,4% de aproveitamento) e liderança na tabela. Com o título simbólico de “campeão do 1º turno”, há uma estatística empolgante para o Palmeiras: em 14 das 19 edições anteriores, quem fechou a primeira metade na dianteira venceu a competição.

Foto: Cesar Greco/Palmeiras
Foto: Cesar Greco/Palmeiras – Abel Ferreira tem orquestrado um grande trabalho à frente do Palmeiras; no Brasileirão, especialmente em 2022, desempenho tem sido o melhor

Se, em anos anteriores, o Verdão deixou escapar pontos bobos, desta vez o trabalho tem sido minucioso em vista dos triunfos: 11 vitórias, seis empates e apenas duas derrotas, com o melhor ataque da competição (31 gols marcados) e também a melhor defesa (13 sofridos). E, mesmo com a queda de rendimento do meia Raphael Veiga, o time tem se destacado com os bons jogos de Dudu e Gustavo Scarpa, além da consolidação defensiva no ano.

O arquirrival Corinthians é outro candidato ao troféu. Quatro pontos atrás do Palmeiras, o conjunto treinado pelo também português Vítor Pereira cresceu de rendimento nas semanas mais recentes da temporada, e a virada diante do Atlético-MG, no Mineirão, simbolizou esse processo. Vice-líder, o Timão passa por ajustes com as chegadas de potenciais titulares na defesa e no ataque – como o zagueiro Balbuena e o atacante Yuri Alberto.



Entre os demais candidatos ao troféu, entram times com processos inversos. O Fluminense foi da água para o vinho com Fernando Diniz, e passa por um momento excelente: seis vitórias nas últimas seis rodadas, além de ter o artilheiro do Brasileirão e do país no ano, Germán Cano. No outro extremo está o Atlético-MG, que, mesmo mantendo a base do time campeão brasileiro no ano passado, passa por uma queda de rendimento, viu referências como Hulk e Alonso piorarem nas últimas semanas, e demitiu o argentino Turco Mohamed para trazer de volta Cuca – que estreará na abertura do returno.

Potenciais surpresas e crescimentos no returno

“Potencial azarão” na briga pelo título, o Athletico-PR figura como a 5ª força do campeonato neste primeiro turno. Em crescimento desde a chegada de Felipão, ainda em maio, o Furacão segue forte em três competições simultâneas – também está nas quartas de final da Libertadores e da Copa do Brasil – e se sustenta na equipe forte dos últimos meses, com destaques como Abner, Terans e Vitor Roque, além da chegada dos volantes Fernandinho e Alex Santana.

Outra equipe que tem grandes chances de surpreender ainda mais no Brasileirão é o Flamengo. Apesar do início ruim e da decepção por, inicialmente ser um candidato ao título, mas nunca ter chegado perto das primeiras posições, o time se reencontrou com Dorival Júnior. 

Com os reforços de Arturo Vidal e Éverton Cebolinha, o Rubro-Negro vem de três rodadas seguidas com vitória, e conta com a fase mais confiante de Pedro no ataque, além de ajustes desde a implementação do 4-3-1-2, com o camisa 21 sendo dupla de Gabigol – em um ajuste que já foi tentado, sem sucesso, por outros treinadores. Na 6ª colocação, o Fla tem nove pontos a menos que o Palmeiras, mas há tempo para lutar pelo título – especialmente por conta do crescimento recente da equipe.

Briga forte por vaga direta na Libertadores

Segunda equipe que menos perdeu no Brasileirão até agora, o Internacional estagnou nas últimas rodadas: a derrota amarga para o Palmeiras, no Allianz Parque, por 2 a 1, no domingo (24), piorou as expectativas. Agora, o Colorado, assim como o Fla, está a nove pontos do Palmeiras, e a dois do G-4.

Anteriormente, os empates contra São Paulo (casa) e Athletico-PR (fora) deixaram a impressão de que o time treinado por Mano Menezes poderia fazer mais; mesma imagem passada na sofrida vitória sobre o América, com gol solitário nos acréscimos do segundo tempo, no Beira Rio – período marcado, também, pela ausência do meia Alan Patrick, destaque do time.

Foto: Ricardo Duarte/SC Internacional
Foto: Ricardo Duarte/SC Internacional – Edenílson comemora gol do Inter diante do São Paulo

Na sequência, o Red Bull Bragantino chega, ainda sonhando com as posições mais altas na tabela. A equipe, que conta com o treinador de trabalho mais longevo na Série A, Maurício Barbieri, teve a sequência de três vitórias seguidas interrompida no último fim de semana, ao perder para o Fluminense, por 2 a 1, no Rio de Janeiro.

O Braga se destaca pelo poder ofensivo: é o segundo melhor ataque da competição, com 30 gols marcados, só um a menos que o Palmeiras; mas tem a pior defesa entre os nove melhores do Brasileirão, com 23 gols sofridos em 19 jogos. São muitas as derrotas também: seis, mais que qualquer outro time na primeira metade da tabela. Apesar disso, é um time que, com o retorno de jogadores como Hyoran e Ytalo, pode brigar pelo G-4.



Foco entre zona de Libertadores (indireta) e Sul-Americana

A dupla San-São passa por diferentes incertezas no Brasileiro. O Santos, em processo de início de trabalho de Lisca, ainda precisará encontrar um padrão e não tem feito partidas empolgantes. O São Paulo, com Ceni, perdeu poucas partidas (apenas três derrotas em 19 jogos), mas empata muito – 11 jogos com placar em igualdade, mais que qualquer outro no torneio até agora.

Por outro lado, com expectativas frustradas até aqui, o Botafogo tem potencial para disputar – e até superar – esses dois times, mas não encontra regularidade na competição. Foram 24 pontos ganhos em 19 rodadas, dois a menos que os dois adversários de SP, mas as séries de derrotas seguidas tiram qualquer chance de aumento de confiança com o técnico Luís Castro.

Foto: Thiago Ribeiro/AGIF
Foto: Thiago Ribeiro/AGIF – Luis Castro tem sido constantemente cobrado por conta da inconsistência do Botafogo na temporada

O Glorioso é o 5º time que mais perdeu no Brasileirão (nove dos 19 duelos), e o antepenúltimo pior mandante: fez apenas 10 dos 27 pontos possíveis no Nilton Santos até aqui. Além de estar com um time que não se construiu e formou suas referências, a inconsistência define a campanha botafoguense em 2022.

Quem tem potencial para chegar forte nessa disputa é o Ceará. Se o começo de campanha acenava para a luta contra o rebaixamento, o time se reergueu e buscou pontos importantes nos últimos jogos: as vitórias seguidas contra Avaí e Corinthians aumentaram a força da equipe, na proporção em que a derrota, por 1 a 0, para o Juventude, lanterna, diminuiu o ímpeto na rodada do último fim de semana. 

Com a chegada de Marquinhos Santos, ex-América, que levou o Coelho à Libertadores no ano passado, a expectativa é que a equipe consiga render bem, semana a semana, à medida que concilia a disputa das quartas da Copa Sul-Americana, contra o São Paulo, um também adversário direto no Brasileirão.



Entre o Z-4 e o meio da tabela

O restante da tabela é marcada por equipes que vivem uma zona de dilema: entre o 13º lugar e os quatro últimos, no Z-4. Do Goiás (13º) ao Fortaleza (20º) há uma diferença de apenas sete pontos. Muito pouco em vista dos muitos concorrentes diretos em pauta.

O Goiás é mais um trabalho na carreira de Jair Ventura com o intuito de sair da zona de rebaixamento e, quem sabe, buscar algo a mais. E com um time que tem ganhado reforços, como o lateral-esquerdo Sávio, que estreou com assistência na derrota de virada para o Fluminense; além do zagueiro Lucas Halter e do meia Marco Antônio, que ainda irão estrear.

O América, com Vágner Mancini, assim como o Avaí, com Eduardo Barroca, passam pelo dilema de alternar grandes atuações com jogos em que não podem perder pontos, mas acabam desperdiçando boas oportunidades. No caso do Coelho, ainda entra a questão do maior número de lesões e o calendário puxado, em vista da disputa nas quartas da Copa do Brasil; com o Avaí, a disparidade entre ir muito bem em casa e muito mal fora tem atrapalhado.

Foto: Mourão Panda/América-MG
Foto: Mourão Panda/América-MG – Vágner Mancini tem mantido o América competindo em duas competições simultâneas, e fora do Z-4 do Brasileirão

Cuiabá e Coritiba, além de se enfrentarem nesta segunda-feira (25), ainda vivem situações muito parecidas no campeonato: um ponto os separa, com a equipe mato-grossense fora do Z-4 e a paranaense dentro. No entanto, os estágios de trabalho dos times marcam diferenças: o paraguaio Gustavo Morínigo comanda o Coxa desde a campanha do acesso, no ano passado.

Já o português António Oliveira chegou ao Dourado há um mês e meio, e tem emplacado atuações competitivas contra times fortes, como diante do Palmeiras e do Atlético-MG, nas últimas duas rodadas.

Mais embaixo, o Atlético-GO é um caso curioso. Classificado para as quartas da Copa do Brasil e também da Copa Sul-Americana, o time não consegue render no formato de pontos corridos. A tarefa para o técnico Jorginho será levar a competitividade dos jogos eliminatórios para o Brasileirão, em vista das cinco rodadas seguidas com derrotas. O Dragão, que tem um time mais forte do que a colocação na tabela sugere, não vence há seis partidas – 36 dias.

Na parte mais crítica da tabela, Juventude e Fortaleza têm “trocado de lugar” constantemente na lanterna da competição. Agora, a última colocação é do Leão do Pici, que tem o argentino Juan Pablo Vojvoda em questionamento, mas deposita esperanças no mercado do meio de ano, com jogadores como Rómulo Otero e Thiago Galhardo chegando.

Já o Jaconero, com orçamento mais modesto, aposta no trabalho de Umberto Louzer para recuperar o time e pontuar em casa, como na vitória sobre o Ceará, por 1 a 0, no último domingo (24), em missão dura para a equipe com um dos elencos mais limitados do torneio – talvez o mais limitado.

Início do returno

As partidas da 20ª rodada, que abre o segundo turno, começam no próximo sábado (30). A metade final da competição ocorrerá, de forma completa, em três meses e meio, por conta da realização da Copa do Mundo, que se encerra no dia 13 de novembro.

Fonte Bolavip