Início Notícias Bolsonaro deverá ir ao Mané Garrincha assistir Flamengo

Bolsonaro deverá ir ao Mané Garrincha assistir Flamengo

Bolsonaro com a camisa do Flamengo no Mané Garrincha – Foto: Divulgação

UOL: O presidente Jair Bolsonaro (PL) confirmou o cancelamento de sua participação na Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, evento que ocorre entre hoje (20) e amanhã (21). No último domingo (17), o governante declarou que considerava a possibilidade de um bate e volta —ou seja, uma viagem rápida.

Oficialmente, o motivo não foi divulgado. Neste fim de semana, o pré-candidato terá uma agenda repleta de compromissos focados na tentativa de reeleição. O mais importante deles é a convenção do PL, no domingo (24), quando será oficializada a chapa que buscará a recondução à Presidência em outubro.

Se, por um lado, os líderes do Mercosul não contarão com a presença de Bolsonaro na solenidade em Assunção, o mesmo não deve ocorrer com as torcidas de Flamengo e Juventude, que duelam na noite de hoje, às 20h30, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. O presidente tem planos de comparecer ao jogo.

Além do evento no Paraguai, Bolsonaro também desistiu de ir ao Rio de Janeiro na sexta-feira (22), segundo informações do estafe da pré-campanha. Ele tinha participação prevista em uma motociata — desfile de apoiadores em motocicletas.

Na última segunda-feira (18), Bolsonaro ironizou pesquisas e analistas políticos que afirmam que ele perderá para Lula na disputa eleitoral deste ano. De acordo com o presidente, Lula não teria a menor chance, equiparando a disputa a Flamengo contra o Bangu. A analogia se refere ao Flamengo ser um time de primeira divisão e o Bangu estar rebaixado.

“É o Flamengo enfrentando o Bangu, com toda certeza. Até com o time reserva. Com todo o respeito ao Bangu”, disse Bolsonaro.



Por fim, o presidente ainda lembrou que costuma ser ovacionado nas ruas. Na contramão de Lula, que costuma ser hostilizado.

“Viram as imagens de Fortaleza? Coisa fantástica, né? O que é aquilo, não tem um centavo meu, é espontâneo. Isso é Brasil, é uma política diferente do que se fazia aqui no Brasil”, concluiu o presidente.