Início Notícias Liberdade é a receita do infernal Flamengo de Dorival Jr

Liberdade é a receita do infernal Flamengo de Dorival Jr

Pedro, Gabigol e Arrascaeta no Flamengo – Foto: Marcelo Cortes

BLOG DO RODRIGO COUTINHO: Gabigol prometeu ainda no gramado do Mineirão e o Flamengo cumpriu! Não bastasse a pressão exercida pela vibrante torcida rubro-negra em um Maracanã lotado, Dorival Junior deu aos principais jogadores do elenco aquilo que mais gostam: movimentos livres. O resultado? Um inferno! Azar do Galo. O time mineiro fez um jogo irreconhecível no Maracanã. Mal ameaçou a meta adversária e está eliminado.

Dorival Junior repetiu a escalação do 7×1 contra o Tolima, na quarta-feira da semana passada. Um losango no meio-campo, Gabigol e Pedro como dupla de ataque. Já Turco Mohamed sacou Vargas para a entrada de Ademir. Isso mudou o lado de atuação de Zaracho da direita para a esquerda. Jair retornou ao time e Otávio foi para o banco.

Como Flamengo e Galo começaram o jogo – Foto: Reprodução

O Flamengo foi bem superior no 1º tempo. Ligado e intenso em todas as fases, empurrou o Galo pra trás com movimentos bem coordenados no ataque, principalmente pelo lado direito. Rodinei passava o tempo inteiro. Everton Ribeiro e Arrascaeta se aproximavam. Gabigol encontrava os espaços para auxiliar na circulação da bola. João Gomes, Thiago Maia e Filipe Luís davam ótimo suporte por trás da linha da bola.

O Atlético chegou muito pouco perto da área rubro-negra. Para ser preciso, duas vezes em 50 minutos de futebol na 1ª etapa. A segunda, quando o Flamengo já vencia por 1×0. Arrascaeta abriu o placar nos acréscimos após belíssima jogada de Pedro. Mas isso poderia ter acontecido antes. O próprio uruguaio teve grande chance aos 12′. Pedro, João Gomes e Gabigol assustaram Everson, que teve ótima atuação.

A defesa atleticana bloqueava as finalizações. Tentava proteger a área, mas mesmo com intensidade na abordagem, dava espaços entre zagueiros e laterais. Não conseguia igualar a quantidade de jogadores rubro-negros pelo lado direito do ataque. Batia cabeça constantemente e nitidamente sentiu a atmosfera. Não teve energia para ser agressivo com a bola. Reteve a posse numa região morta do gramado.

Turco mexeu no esquema tático e no posicionamento de alguns jogadores no intervalo. Voltou com um 4-4-2. Ademir ao lado de Hulk na frente. Nacho auxiliando Arana pela esquerda e Zaracho pela direita. O time deu uma breve reagida. Motivada pela queda natural de intensidade do Flamengo também, mas nada que abalasse o domínio rubro-negro em campo.

Pedro e Gabigol chegaram perto de ampliar em cabeçadas perigosas, mas o golpe fatal viria logo depois. O camisa 21 roubou a bola de Junior Alonso na saída do Galo e sofreu falta. Raspou de cabeça a cobrança de Everton Ribeiro na área e Arrascaeta marcou de peixinho na segunda trave. Alonso ainda foi expulso ao fazer falta em Marinho e brecar contra-ataque na sequência.

Hulk foi totalmente anulado por David Luiz, que saiu lesionado na metade da 2ª etapa. Fabrício Bruno entrou e manteve o nível. Léo Pereira fez mais um grande jogo, parece enfim oferecer o desempenho que mostrou no Athletico. Thiago Maia foi um ”leão” na frente da zaga. Filipe Luís jogou como há muito tempo não atuava. O Flamengo se fortalece num momento importante da temporada e ainda pode crescer mais.