Início Notícias Vasco oferece São Januário ao Flu para jogar no Maracanã

Vasco oferece São Januário ao Flu para jogar no Maracanã


Bombas da torcida do Vasco em São Januário após derrota para o Flamengo – Foto: Reprodução

GLOBO ESPORTE: Em meios às turbulências e litígios pela utilização do Maracanã, hoje sob a gestão de Flamengo e Fluminense, o Vasco emitiu uma nota oficial neste domingo onde afirma que pretende utilizar o estádio somente para seus principais jogos, estimando de 12 a 15 partidas por ano, e oferece São Januário aos tricolores para compor o calendário.

Na conta dos atuais gestores do estádio, seria viável liberar o Maracanã para o Vasco somente em 10% dos jogos do clube como mandante. Isso significa permitir o uso da arena em cerca de cinco jogos.

Na nota, o clube afirma ainda que busca um entendimento entre os clubes interessados em participar da licitação pela concessão do estádio. O Vasco ressalta que se trata de um “equipamento público” e argumenta que “não faz sentido realizar jogos com 10 mil ou 15 mil espectadores no Maracanã e deixar de fora partidas com potencial de 70 mil torcedores”, citando diretamente a deste domingo, contra o Sport.

Confira a íntegra da nota do Vasco:

1 – Sobre nova licitação/ entendimento com outros clubes:
O Maracanã é um equipamento público e a melhor solução seria um entendimento entre os clubes que manifestaram interesse, para que todos possam utilizar o estádio de acordo com suas características e necessidades, em bases pré-acordadas. O Vasco pretende utilizar o Maracanã apenas para seus principais jogos, com alta demanda de público. Estimamos algo como 12 a 15 partidas por ano. Para os demais jogos temos nossa casa, São Januário. Partindo dos 70 jogos/ano preconizados pelo governo do estado, e utilizando critérios objetivos como média público, o Flamengo poderia fazer os seus 35 jogos anuais no Maracanã e o Fluminense algo como 20 ou 23 jogos. Oferecemos São Januário ao Fluminense como alternativa para compor o calendário, e na nossa cidade ainda temos o Nilton Santos. O que não faz nenhum sentido é realizar jogos com 10 mil ou 15 mil espectadores no Maracanã e deixar de fora partidas com potencial de 70 mil torcedores, como essa que o Vasco joga nesse domingo contra o Sport.

2 – Sobre grama sintética:
Temos a tradição de jogar com grama natural e entendemos que seria preferível, e possível, manter o Maracanã assim. O que não se pode admitir é que sejam impostas restrições ao justo direito dos clubes do Rio de jogar no Maracanã. A grama sintética é uma realidade no Brasil e no mundo, a tecnologia vem avançando rapidamente. Entendemos que em uma situação limite, essa sim pode ser uma solução.

3 – Sobre possível retorno da gestão do Maracanã ao Governo do Estado?
O Vasco acredita que os clubes são perfeitamente capazes de gerir o Maracanã, desde que haja uma licitação com oportunidades iguais de participação, racionalidade, regras claras, e, idealmente, com os clubes em entendimento. O Maracanã foi construído com impostos pagos por cariocas e fluminenses e deve cumprir sua função social de estar aberto para receber os torcedores de todos os clubes do Rio, em igualdade de condições. O Maracanã é um importante gerador de empregos e de renda para empreendedores locais e para o estado, por isso seu uso deve ser otimizado. No último jogo do Vasco contra o Cruzeiro no Maracanã recebemos torcedores de 22 unidades da federação. O que ninguém pode admitir é a tentativa de se apropriarem de um bem público cerceando o direito de outros, como, aliás, ratificou o Tribunal de Justiça do Rio em decisões recentes.