Início Notícias Análise Tática Flamengo 1 x 3 Inter: Estreia de Dorival e problemas...

Análise Tática Flamengo 1 x 3 Inter: Estreia de Dorival e problemas antigos

(Foto: Reprodução/Marcelo Cortes/Flamengo)

O Flamengo perdeu para o Internacional por 3 a 1, neste sábado (11/06), no Beira-Rio, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. A partida marcou a estreia de Dorival Jr no comando do time. Entretanto, problemas antigos se repetiram e, com isso, veio e também a terceira derrota consecutiva da equipe.

Sem ter tido tempo para sequer treinar o Flamengo, Dorival Jr fez algumas mudanças no time titular. Os experientes Diego Alves e Filipe Luís retornaram aos 11 iniciais. Além disso, o treinador não tinha à disposição para a partida o goleiro Santos, o zagueiro Fabrício Bruno, o jovem Matheus França e Arrascaeta.

Assim, ele escalou a equipe em uma espécie de 4-1-4-1. Na primeira linha, Matheuzinho e Filipe formaram as laterais, com a dupla de zaga formada por Rodrigo Caio, pela direita, e David Luiz na esquerda. Willian Arão ficou como primeiro volante, dando sustentação. Na frente, Everton Ribeiro ficou na meia-direita, com Bruno Henrique aberto na esquerda.

Com Arrascaeta na seleção, Dorival Jr optou por botar mais um volante, com Thiago Maia. Ele atuou mais avançado que Arão, por dentro, pela esquerda, enquanto Andreas também jogou adiantado, centralizado mais à direita. Gabigol, por sua vez, ficou de referência, sempre se movimentando bastante.

A ideia, dessa forma, era dar um pouco mais de força defensiva, tendo Arão e Thiago Maia para a hora da marcação. Entretanto, toda a estratégia foi para o buraco com apenas 46 segundos. Isso porque, Filipe Luís errou na defesa, perdeu a bola pela esquerda e o Internacional abriu o placar com menos de um minuto.

Dessa forma, o Flamengo já começou o jogo perdendo. Assim, o Inter se fechou, enquanto o Mais Querido não tinha tanta criatividade no ataque. Bruno Henrique era quem mais tentava ser efetivo, mas não tinha um auxilio muito bom de Thiago Maia pela esquerda. Na direita, Everton Ribeiro não fez bom primeiro tempo e Andreas era pouco participativo.

O Inter, por sua vez, estava fechado e apenas esperando o contra-ataque nos erros do Flamengo. Então, aos 22, o colorado ampliou o placar. Everton Ribeiro errou passe bobo no meio de campo, jogando nos pés de Alan Patrick. Com a defesa rubro-negra exposta, o adversário acelerou a jogada pela esquerda para Wanderson, que entrou na área e marcou.

Com 2 a 0 no placar, o Flamengo continuou tendo a posse, com o Inter fechado, mas sem tanta criatividade. A única jogada de fato perigosa foi em um lançamento de David Luiz do campo de defesa, explorando a velocidade de Bruno Henrique, que tentou encobrir o goleiro, mas a bola bateu na trave e Gabigol errou no rebote.

Segundo tempo

Para a volta do intervalo, Dorival Jr corrigiu um problema do time. Tirou Thiago Maia, que teve atuação completamente nula, para colocar Marinho. Dessa forma, o atacante jogou bem aberto na ponta direita, enquanto Everton Ribeiro saiu da direita para atuar onde estava T.Maia, por dentro mais à esquerda.

O time melhorou de rendimento. Atuando por dentro, Everton Ribeiro começou a ser mais participativo, principalmente acionando Bruno Henrique. Aos 10, o camisa 7 conduziu por dentro à esquerda e deu belo passe em elevação para a infiltração de BH, que cruzou para Gabigol dentro da área. Ele iria marcar o gol, mas foi travado pelo zagueiro.

Então, aos 12, o gol rubro-negro. Arão roubou bola na intermediária e acionou Bruno Henrique na esquerda. O ponta avançou em velocidade e cruzou atrás para Andreas Pereira, na entrada da área, que chutou com categoria, chapado, no canto, descontando o placar.

Entretanto, após o gol, o Flamengo não conseguia mais criar chances de perigo. A equipe até tinha a bola no campo ofensivo e rodava ela, mas não conseguia ser efetiva. Marinho não dava sequência às jogadas e o time tinha que cruzar bola na área. Já na defesa, estava exposto e o Inter chegou a perder duas grandes chances em contra-ataque.

Para tentar melhorar o aspecto ofensivo, Dorival fez três substituições aos 35. Tirou Filipe Luís, Willian Arão e Everton Ribeiro, para colocar Ayrton Lucas, Diego e Pedro. AL ficou na lateral, o camisa 10 de primeiro volante e o centroavante entrou de referência, com Gabigol recuando um pouco mais, circulando pelo meio.

A ideia era dar mais velocidade pela lateral-esquerda, enquanto Diego tem menos poder de marcação, mas poderia dar qualidade no passe. Já Pedro faria o pivô, auxiliando também nas bolas aéreas e conectando a dupla de ataque com Gabigol. Logo no primeiro minuto após a substituição, quase fez efeito.

Pedro recebeu bola alta na entrada da área, atraiu a marcação e escorou para Gabigol, com liberdade para finalizar. O camisa 9 chutou de primeira, mas pegou muito mal na bola e perdeu a oportunidade. Parecia que o time poderia buscar o empate, só que as chances acabaram aos 43.

Isso porque, nesse minuto a arbitragem inventou um pênalti para o Inter. O VAR, sem explicação, sequer chamou para revisão e aos 46 o Inter bateu e fez o 3 a 1. O jogo foi até os 51, mas aí não tinha mais tempo para fazer dois gols e a partida acabou com a derrota rubro-negra.

O jogo mostrou ao Dorival alguns trabalhos que ele terá no comando do Flamengo. O time mais uma vez mostrou muita desatenção, com erros bobos individuais, que resultaram nos dois gols do adversário. Além disso, mais uma vez ficou evidente que a equipe não consegue render quando três volantes de origem estão em campo.

Fonte: Diário do Fla