Análise Tática Flamengo 1 x 1 Atlético-GO: Pontos positivos e alguns negativos

(Foto: Reprodução/Gilvan de Souza/Flamengo)

O Flamengo empatou com o Atlético-GO, em 1 a 1, neste sábado, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro. Mesmo atuando fora de casa, no Estádio Antônio Accioly, o Mais Querido conseguiu ter uma atuação melhor que as últimas partidas, com mais vontade e intensidade, principalmente no segundo tempo. Ainda assim, há alguns aspectos que o time precisa evoluir.

Mais Querido entrou em campo com quatro mudanças no time, em relação ao que enfrentou o Sporting Cristal. A estrutura, entretanto, foi a mesma que vem sendo usada ao longo da temporada, em uma espécie de 3-4-2-1. Na primeira linha, Gustavo Henrique e Filipe Luís sentiram dores e não jogaram. Nos lugares deles, Arão recuou pelo lado direito, Léo Pereira fez a esquerda, com David Luiz de zagueiro central.

Nas alas, Matheuzinho ficou pela direita, com Bruno Henrique na esquerda. Já João Gomes retornou ao time como volante, ao lado de Thiago Maia. No setor ofensivo, Gabigol ficou como referência, com Arrascaeta por trás pela esquerda, caindo por dentro, enquanto Andreas ficou na meia-direita.

O jogo começou com o Flamengo tomando um susto. Logo no primeiro minuto, o Atlético-GO abriu o placar, em bola longa pela direita, que foi para o meio, Arão e David Luiz não tiraram e Wellington Rato marcou. O lance, entretanto, foi anulado por impedimento. Após a jogada, o Mais Querido conseguiu controlar o ritmo do jogo, mas sem criar grandes chances. Os volantes não estavam tão participativos e o time sem criatividade.

Bruno Henrique, por sua vez, estava muito aberto na ala, pisando pouco na ala. As poucas vezes que ele caía na área resultavam em lances de mais perigo. Um exemplo foi aos 22, em que o atacante recebeu aberto, passou para Gabigol por dentro e infiltrou na área. O camisa 9 passou de primeira para Arrascaeta, que tentou o cruzamento no artilheiro. A zaga afastou e BH pegou a sobra, finalizando com liberdade na área, mas por cima.

Em outro lance, cinco minutos depois, Bruno Henrique avançou pela esquerda caindo para dentro, passou para Arrascaeta na meia-lua, que abriu para Gabigol na direita. O camisa 9 cortou para dentro e chutou rasteiro, tirando tinta da trave. Entretanto, não foram tantas jogadas que o camisa 27 participou e o primeiro tempo terminou 0 a 0.

Segunda etapa

Paulo Sousa não fez mudanças no intervalo. Os primeiros cinco minutos não foram muito bons, com o Atlético-GO tendo a posse no campo de ataque. Depois, o time deu uma melhorada e criou algumas chances. A equipe estava melhorando e, aos 20, o técnico fez a primeira substituição, colocando Everton Ribeiro na vaga de Thiago Maia, recuando, assim, Andreas Pereira para função de volante.

O Flamengo passou a pressionar o Atlético-GO. Diferente do primeiro tempo, a equipe avançou as linhas e começou a atuar no campo de ataque adversário. Time tentava muito as bolas jogadas na área, já que o goleiro adversário raramente saía do gol. A equipe criava, só que não conseguia cabecear com precisão. Entretanto, no melhor momento, o Mais Querido sofreu o gol.

Andreas Pereira recebeu a bola no meio de campo e tentou um lançamento, para velocidade de Gabigol. O passe foi ruim, o Atlético-GO recuperou a posse e deu passe em profundidade para Dudu pela direita, nas costas de Léo Pereira. O jogador avançou para linha de fundo e cruzou rasteiro para trás. O zagueiros do Flamengo fecharam apenas a trave e deixaram Wellington Rato livre para marcar.

Aos 35, Paulo Sousa fez mais duas mudanças. Tirou Andreas Pereira e Matheuzinho, para colocar Pedro e Lázaro. O jovem ficou na ala-direita, enquanto o centroavante jogou de referência, recuando Gabigol para trás dele e Everton Ribeiro para função de volante. O time melhorou e criou ainda mais chances. Lázaro quase marcou em cruzamento na área, que passou por todo mundo e Luan Polli fez grande defesa.

Logo depois, aos 38, Bruno Henrique marcou de cabeça, após batida de escanteio de Arrascaeta. O rubro-negro teve duas chances claras com Pedro. Na primeira, aos 42, o centroavante recebeu de Lázaro dentro da área, dominou, arrumou e chutou com força. O goleiro resvalou e a bola explodiu no travessão. Já na segunda, Everton Ribeiro cruzou e o camisa 21 cabeceou livre, mas não pegou bem e jogou para fora.

Já aos 49, o Mais Querido teve outra chance incrível. Em belo contra-ataque, Pedro acionou Bruno Henrique em velocidade pela esquerda, que entrou na área e cruzou rasteiro na direção de Gabigol. O centroavante fez o facão, mas, na hora de finalizar, foi travado pela zaga adversária. Em seguida, o Flamengo teve sorte, pois, em contra-ataque, o Dragão chegou na cara do gol, Dudu encobriu Hugo e a bola bateu na trave.

A partida, então, não foi a melhor possível, mas está longe de ser ruim. Pelo contrário. Mesmo atuando fora de casa, Mais Querido foi superior ao adversário, principalmente na segunda etapa. Time criou várias chances, mostrou intensidade e muita vontade, mas não conseguiu aproveitar. Essa postura, entretanto, é um bom sinal, pensando nos próximos jogos da temporada.

Fonte: Diário do Fla