‘Não desminto nem confirmo, o que posso dizer é que a relação com Paulo é a melhor possível’ diz Braz

Foto: Reprodução / FlaTV

Nesta sexta-feira (8), após a coletiva de apresentação dos novos reforços do Flamengo, Ayrton Lucas e Santos, o Vice-Presidente de Futebol Marcos Braz e o Diretor Executivo Bruno Spindel, responderam algumas perguntas de jornalistas a respeito do conturbado ambiente que ronda o Ninho do Urubu.

Ao ser questionado sobre a matéria de Juca Kfouri, do portal ”UOL”, na qual mostra Braz supostamente criticando o trabalho de Paulo Sousa, o dirigente afirmou que não iria desmentir ou confirmar matérias de jornalistas. No entanto,  o VP de Futebol negou que tenha criticado o treinador, frisando que seu relacionamento com Paulo é bastante positiva.

”A minha relação com Paulo é a melhor possível, estávamos almoçando agora tranquilamente. A gente vem sistematicamente conversando. Só para deixar claro que a minha relação com ele é a melhor possível, a confiança no técnico, não só nele mas como na comissão técnica, ela é bem clara. Agora, quando a bola não entra, quando a gente encontra outras dificuldades, tem questionamentos de todos os lados. Eu não desminto nem confirmo jornalista, se eu fizer isso não faço outra coisa, o que eu posso dizer é que a relação é a melhor possível. A respeito sobre o que eu supostamente falei, você pode ter certeza absoluta que eu respeito o jornalista e respeito a fonte dele, mas caso chegou desta maneira, chegou totalmente fora de contexto.”, declarou Marcos Braz.

”Eu respeito jornalista e respeito as fontes, a seriedade, mas as vezes nesse mundo corrido de hoje, as interpretações e as falam ficam fora de contexto, não estou falando que falei fora do contexto, apenas ampliando, as vezes deixam as informações um pouco truncadas.”, completou.

 

Além da situação com Paulo Sousa, Marcos Braz também esclareceu a questão envolvendo a sua ausência na viagem com a delegação para o Peru, onde o Rubro-Negro enfrentou o Sporting Cristal na estreia da Libertadores.

”Eu e Bruno conversamos no domingo sobre várias situações do departamento, e chegamos a conclusão de que seria bom ter uma divisão. Ele e todos os profissionais foram para Lima, todos eles, Juan, Fábio Soldado, o único que ficou aqui fui eu. A gente entendeu que era mais importante eu ficar para ter essa divisão, Bruno tomou conta, como sempre faz, ajustou toda a parte em Lima com os profissionais.”, relevou o dirigente,

Em consenso com Bruno Spindel, o dirigente entendeu que seria mais importante ficar no Rio de Janeiro para resolver algumas pendências relacionadas ao futebol do clube, entre elas, a reunião com o Conselho Diretor e o encontro com as torcidas organizadas.

”Eu fiquei aqui, fiz as articulações que entendi que deveria fazer, fui na reunião do Conselho Diretor, Não vou me estender sobre o que eu falei na reunião do Conselho, apenas a minha introdução. Falei que era o Vice-Presidente e tinha certeza absoluta que todos os outros VPS que estavam ali e na tela, também são cobrados na rua pelos amigos, pela torcida, é uma cobrança diária para todo mundo.”, comentou Braz, que emendou:

”Então eu fui lá para me colocar a disposição, para responder algumas perguntas e dar subsidio para que os companheiros de diretoria, quando forem arguidos, não estarem no vaco. A reunião foi boa, esclarecedora, dentro dessas arrumações eu tinha entendido de uma forma que eu precisaria falar com alguns conselheiros, alguns de oposição, outros de situação, sobre uma demanda das torcidas organizadas, que não são de agora.”

Por fim, Braz explicou que houve algumas questões abordadas que fizeram a diretoria entender que a reunião com as organizadas não deveria acontecer. O Vice-Presidente de Futebol ainda fez questão de frisar, que caso o encontro tivesse acontecido, todos os membros da linha de frente do departamento de futebol iriam estar presentes para conversar com os torcedores.

”De fato teve um desencontro de informação, que eu não vou externar, mas também não posso colocar tudo na conta do presidente Landim. A gente entendeu que as reuniões não deveriam acontecer. Deixando claro um ponto, as reuniões com as organizadas não era apenas com os jogadores, a linha de frente do futebol iria estar presente também, para ser arguída ou qualquer outra situação. Eu estaria, Bruno como diretor executivo, Juan, Fábio Soldado, todos estariam presentes.”, disse.

”Acreditem, a reunião nunca foi marcada para dentro do Ninho. Se é bom ou não ter, se eu deveria ter marcado ou não a reunião, isso eu respeito a análise de cada um, como jornalistas, mas nunca foi marcado para dentro do Ninho. O que eu posso falar é que em um determinado momento, se entendeu que todas essas ações não deveriam acontecer e assim foi feito.”, finalizou.

Fonte: Diário do Fla