Destaque da base, Petterson fala sobre objetivo no Flamengo: ‘Chegar no profissional e fazer história’

(/Gilvan de Souza/Flamengo)

O nome “Pet” tem bastante história no Flamengo. Se o sérvio Petkovic se tornou um dos grandes ídolos do Mais Querido, agora um jovem que tem a mesma abreviação busca marcar o nome dele na Gávea: Petterson. O ponta é um dos grandes destaques da base rubro-negra e titular do time na Copinha. Em entrevista exclusiva ao DIÁRIO DO FLA, o jogador falou sobre a trajetória, objetivos na carreira e mais.

Tido como uma joia da base, Petterson, de 18 anos, assinou em novembro do ano passado uma renovação com o Flamengo até 2026, com multa de 100 milhões de euros (R$ 633 milhões). O atacante falou sobre o novo vínculo e o que almeja no Mais Querido. “A expectativa é muito boa. Estou no clube até 2026. Meu objetivo aqui é ganhar títulos, chegar no profissional e fazer história”.

A trajetória para se tornar um ídolo no Flamengo começou muito bem. No ano passado, o atacante foi extremamente decisivo nas conquistas da Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Supercopa do Brasil sub-17. No caso do Brasileirão, então, foi ainda mais especial. Na final contra o Vasco, Petterson marcou os dois gols que deram o título ao Mais Querido, o último aos 43 do segundo tempo, em chute no ângulo de fora da área.

“Eu nem acreditei, tá maluco. Esses gols, com certeza, foram os mais marcantes e importantes para mim até agora. Então, agora é continuar trabalhando para dar alegria para a torcida rubro-negra”, disse Petterson sobre a final do Campeonato Brasileiro sub-17 contra o Vasco.

Inclusive, um jogador do Flamengo chamado Pet fazer um gol do título em uma final contra o Vasco, aos 43 minutos do segundo tempo, obviamente gerou muitas comparações a Petkovic. Petterson não se incomoda com esses comentários. Pelo contrário, disse até que já abordou o assunto com o ídolo sérvio. “Gosto bastante, até converso com ele as vezes sobre isso”.

Além de brilhar pelo Flamengo, Petterson tem outros objetivos. No quesito de carreira, o atacante quer um dia poder jogar no velho continente. Já no sentido pessoal, mesmo com 18 anos, o jogador já pensa de forma solidária. “No futebol, meu grande sonho é chegar na Europa e dar uma condição melhor para a minha família”.

Trajetória

Petterson chegou bem novo no Flamengo. O atacante, que completou 18 anos neste mês de janeiro, foi chamado para integrar a equipe de futsal do Mais Querido em 2013, quando tinha apenas 9. Na ocasião, o atleta morava em Florianópolis e jogava na APAFF, sendo descoberto por olheiros rubro-negros. Ele falou sobre como foi a chegada no clube e o caminho que percorreu.

“Eu jogava em Floripa, na APAFF. O Flamengo foi lá ver um jogo, eu me destaquei e vim para cá. A adaptação foi mais tranquila, porque vim junto com um amigo e a família dele, que eu já morava junto antes. Mas, claro que já passei por várias dificuldades. Entretanto, melhorei na vida. Melhorei como homem, como ser humano. Agora é sempre buscar evoluir e seguir em frente”, afirmou o atacante.

Depois de integrar o time no futsal, Petterson foi se destacando até ir para o campo e passar por várias categorias da base do clube. Em 2021, teve o ano mais iluminado, marcando não só os dois gols na final do Campeonato Brasileiro sub-17, mas também um na decisão a Copa do Brasil da categoria, em cima do São Paulo.

Copinha

Agora, na Copinha, Petterson está jogando pela primeira vez um torneio sub-20 na carreira. O desafio não é simples, já que não só o atacante é mais jovem que vários da competição, como o elenco do Flamengo é formado majoritariamente por atletas sub-18, pois os mais velhos estão no Rio de Janeiro para a disputa do Campeonato Carioca. Apesar disso, o ponta acredita que a diferença de idade não será um problema.

“A gente já estava pronto. Eles nos preparam para jogar sempre em alto nível, então não tem essa de idade. Tem que estar sempre preparado. Estou confiante. No Flamengo tem que estar sempre confiante. Aqui é vencer, vencer e vencer. Temos que buscar todos os títulos que joga”, afirmou.

Neste início de competição, de fato, a idade não está sendo sentida. O Flamengo começou com tudo e passou em primeiro na fase de grupos, de forma invicta, sendo duas goleadas, uma por 10 a 0 em cima do Forte-ES e outra de 4 a 0 no Floresta-CE, e um empate em 3 a 3 com o Oeste. Petterson exaltou a campanha, mas destacou que é preciso ter a cabeça no lugar para os próximos confrontos.

“Começo foi muito bom. É ótimo iniciar a primeira fase ganhando, invicto, primeiro lugar. A gente treinou bastante. Agora é descansar, mudar o foco e virar a chave, porque temos um jogo muito importante contra o Náutico”, disse o jogador.

De acordo com Pet, um dos motivos que faz o Flamengo estar indo bem no campeonato foi a preparação realizada. O Mais Querido ficou três semanas em dezembro fazendo treinamentos intensos, focados na Copinha. A comissão técnica, inclusive, mudou o tempo de meio-período para integral (manhã e tarde). Segundo o atleta, esta alteração teve um impacto positivo na parte física.

“Eu nunca tinha treinado de forma integral. Foi uma experiência muito boa. Alguns dias a gente dormiu no CT para se alimentar e descansar bem. Então, foi uma preparação muito boa. Senti uma melhora física e a gente está chegando na segunda fase para buscar esse título da Copinha”, declarou.

Algo vem chamando atenção sobre Petterson é o posicionamento do jogador. No sub-17, o ponta brilhou pelo lado esquerdo, tendo como característica o corte para dentro, para finalizar. Agora, na Copinha, o atleta está jogando mais pela direita, usando a velocidade e o drible para ir ao fundo. Foi pelo setor, inclusive, que deu 3 assistências na estreia para Mateusão. O atacante disse que se sente bem confortável em ambas posições.

“O lado para mim tanto faz. Aonde o treinador me colocar eu vou dar o meu máximo para ajudar a equipe. Então, aonde eu for, aonde eu estiver, vou dar o meu máximo e buscar evoluir sempre”, falou Petterson.

O treinador, inclusive, foi uma mudança inesperada do Flamengo na Copinha. A equipe fez a preparação e começou o torneio com Fábio Matias, mas, após a demissão de Maurício Souza, o técnico foi chamado para comandar o elenco que vai disputar o começo do Campeonato Carioca.

Pet disse como foi a conversa do técnico com o elenco, avisando que iria sair. “A gente soube no treino que ele foi chamado para o profissional. Ele falou para gente que está muito confiante na gente e nós vamos trabalhar para voltar com esse título”.

Vale lembrar que não é só o técnico que está confiante. Como já mostrado, Petterson declarou algumas vezes que acredita no título do Flamengo. E não só isso. O atacante finalizou com uma previsão, caso o Mais Querido chegue na decisão do torneio: “O Pet sempre faz gol em final”.

O primeiro desafio de Petterson e do Flamengo rumo à final é contra o Náutico, pela segunda fase da Copinha. O confronto é de mata-mata, em jogo único, e será realizado nesta quinta-feira (13/01), às 19h30, na Arena Barueri. Em caso de empate, a decisão será nos pênaltis. Se avançar, o Mais Querido enfrenta o vencedor do jogo entre Ibrachina e Oeste-SP.

Publicado em diariodofla.com.br