Início Notícias André Rocha: ‘Fracasso do Flamengo em 2021 será o maior aliado de...

André Rocha: ‘Fracasso do Flamengo em 2021 será o maior aliado de Paulo Sousa’

Paulo Sousa foi apresentado oficialmente como novo treinador do Flamengo. Em entrevista coletiva, o português impressionou ao falar sobre tático, mostrou conhecer bem o elenco e disse estar consciente da cobrança que sofrerá para conquistar títulos, mas prometeu que empenho não vai faltar. André Rocha, colunista do portal “UOL”, disse que o maior aliado do técnico será o fracasso do clube em 2021.

“No fundo, Paulo Sousa precisa do mesmo que os antecessores dispensados ​​e qualquer profissional no futebol. Os dois “R’s mágicos”: respaldo e resultados. E é aí que o fracasso da equipe em 2021, sem nenhum título relevante, torna-se o maior aliado do treinador português. Porque sem taças não há cadeira cativa no time titular, nem estrela interferindo nos treinamentos. Muito menos a percepção de que apenas o talento, sem trabalho duro, garante como conquistas.”

O novo comandante rubro-negro falou que tem recebido respaldo para trabalhar, disse saber que o calendário brasileiro é complicado e que a equipe vai modificar bastante por conta das convocações e desgastes. Umas das exigências é que os jogadores passem mais tempo no Ninho do Urubu para treinos em dois períodos e almocem por lá.


“Tudo perfeito no discurso. Veremos na prática. Porque cobrança sem resultados no Brasil é sentença de morte. Ou alguém Jorge Jesus com toda autoridade em 2019, em agosto com o também o caso protegido na Copa do Brasil e imagina da Libertadores, em chega de fracasso contra o Emelecs? Cabe à direção dar respaldo. E aí Paulo então tem uma vantagem sobre os acessores: como foi contratado mesmo com a possibilidade de Jesus, a tendência é Land, Braz e Spindelim com fechar até o limite, ou mesmo insistir além da pressão forte que pode ocorrer através de imprensa, redes sociais e influenciadores. O problema é se tudo não der muito certo e Jesus seguirá livre no mercado, em um período “sabático” e mandando sinais, pela imprensa portuguesa, de que pretende voltar. O contexto muda radicalmente,” concluiu André Rocha.

Publicado em diariodofla.com.br