Mauro diz que Ceni entrega o Flamengo com estilo de jogo: “Se o Renato fizer algo mais autoral, será um desastre”

Para Menon, Renato Gaúcho precisa lidar com um problema que incomodou Ceni desde a chegada do ex-goleiro à Gávea: o 'fantasma' de Jorge Jesus.

Rogério Ceni – Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

UOL: Renato Gaúcho se prepara para estrear no comando do Flamengo. O treinador, contratado pelo clube após a demissão de Rogério Ceni, estará no banco no duelo desta quarta-feira (14) contra o Defensa y Justicia, pelas oitavas de final da Libertadores. Porém, ele já fez algumas sugestões a Maurício Souza, que esteve à frente da equipe na vitória por 2 a 1 sobre a Chapecoense, neste domingo, pelo Brasileirão.

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte – com os jornalistas Isabela Labate, Mauro Cezar Pereira, Menon e Maria Victoria Poli – a contratação de Renato Gaúcho esteve no centro das discussões. Os comentaristas falaram o que esperam da chegada do treinador à Gávea.

“O Renato vai herdar um time que tem um padrão de jogo: atua no campo de ataque, com posse de bola, tentando recuperar a bola imediatamente após a perda, como era com o Jorge Jesus, mas não é o mesmo comportamento. Ele não pega terra arrasada, longe disso. Se ele fizer pequenos ajustes, pode até funcionar. Se ele resolver fazer algo mais autoral, será um desastre. De bobo ele não tem nada. Vai conversar com os jogadores, tentar entender o que eles querem, especialmente os mais experientes, e vai tentar uma mudança ou outra sem ferir a forma de jogar da equipe”, analisou Mauro.

Na visão de Menon, Renato Gaúcho precisa lidar com um problema que incomodou Ceni desde a chegada do ex-goleiro à Gávea: o ‘fantasma’ de Jorge Jesus.

“Vai fazer pequenas modificações para melhorar o time pouco a pouco. O time tem muito jogador bom, fácil de trabalhar. O maior desafio em dirigir o Flamengo com o elenco que tem é a comparação com o Jorge Jesus. Tem que esquecê-lo e ver o trabalho do Renato. Ele tem condições de fazer um trabalho bom”, avaliou.

Mauro acha que Renato deve desfazer algumas das modificações feitas por Ceni.

“Tenho várias restrições ao Renato. Não o contrataria, se eu fosse dirigente de qualquer clube, nesse momento. As duas últimas temporadas dele foram muito abaixo do que deveriam ser. Pelo jeito, ele já vai fazer mudanças. Não vai querer mais o Willian Arão como zagueiro e o Diego talvez não jogue mais na função de primeiro volante. Acho eu que ele vai fazer uma coisa mais conservadora, sem tantas mudanças que o Rogério colocou em prática e que foram fundamentais na arrancada do Flamengo para a conquista do título brasileiro”, destacou.

Menon alertou para um problema que o treinador precisa tomar cuidado para não repetir no Flamengo.

“O que ele não pode fazer, e fez nos últimos dois anos, é abandonar o Campeonato Brasileiro. Apostou sempre nas copas. Ganhou algumas e, quando não ganhou, o trabalho foi completamente desmistificado. Só se sustentava pelos títulos que ganhava e pelo total predomínio no Gre-Nal. No Flamengo, ele vai ter que fazer mais do que isso”, finalizou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui