Alinhados, Clubes das séries A e B farão pressão por nova MP do Mandante nesta quinta

Alguns dirigentes trabalham com a ideia de que, o primeiro a fazer, é desconstruir a impressão de que a MP do Mandante é a MP do Flamengo.

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, rindo – Foto: Reprodução

CORREIO BRAZILIENSE: Marcos Paulo Lima

Os presidentes dos clubes das séries A e B do Campeonato Brasileiro têm passagem marcada nesta semana para desembarcar em Brasília. Eles querem discutir no Congresso e no Palácio do Planalto a reedição da Medida Provisória 984/2020, a popular Lei do Mandante. O polêmico texto assinado no ano passado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, caducou no Congresso Nacional, mas os times estão dispostos a rediscuti-lo com os parlamentares, antes do recesso do legislativo, e a presidência da República.

O blog apurou que a ideia partiu do presidente do Flamengo, Rodolfo Landim. Cada vez mais unidos pela criação da liga nacional, os presidente foram convencidos a aterrissar na capital. Há reservas em um hotel e numa churrascaria para para a caravana. A primeira agenda, uma das mais relevantes, será com o presidente da Câmara dos Deputados, Arhtur Lira (PP-AL).

Cabeça do movimento pela Lei do Mandante, o Flamengo é o clube que mais tem transitado na Esplanada dos Ministérios em defesa dela, com passagem pela secretaria do Esporte, vinculada à Cidadania, pelo Congresso Nacional e pelo Palácio Planalto. No ano passado, Bolsonaro assinou a MP justamente depois da passagem rubro-negra pela sede do governo.

Na sequência, houve uma romaria de sete clubes ao Distrito Federal para interceder a Bolsonaro pela nova MP: Athletico-PR, Bahia, Ceará, Coritiba, Fortaleza, Internacional, Palmeiras e Santos estiveram reunidos com o presidente, em junho do ano passado.

Os 40 clubes das séries A e B estiveram reunidos nesta segunda-feira para fortalecer os laços pela criação da Liga Nacional. Assinaram, inclusive, uma carta de intenções para a criação da Liga Nacional, em mais um sinal de que pretendem organizar o Campeonato Brasileiro a partir da próxima temporada. Dos 40 times, 36 participaram presencialmente do encontro e quatro por videoconferência — Brusque, Confiança, Operário e Sport.

Um dos pontos em pauta foi justamente a discussão sobre os direitos de transmissão. Em princípio, eles pretendem discutir os contratos de forma conjunta com as tevês interessadas em fechar o pacote com a competição. Daí a necessidade de discutir a MP do Mandante.

Na CBF e em Brasília, há quem duvide da coesão dos clubes justamente no ponto das cotas de tevê, mas a primeira cláusula do documento apresentado hoje indica: “Os clubes ao subscreverem a presente CI (Carta de Intenções) manifestam a sua intenção de constituir a Liga para fortalecimento do futebol brasileiro, uniformizando a atuação em negociações privadas e públicas, mirando eficiência, transparências e igualdade de tratamento”, assinam.

A estratégia é convencer o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, sobre a necessidade de reeditar e tramitar a MP do Mandante com celeridade na casa em tempos de pandemia do novo coronavírus. Os clube querem apresentar suas perdas e apostam na lei para facilitar as futuras negociações para a transmissão da competição nacional.

Alguns dirigentes trabalham com a ideia de que, o primeiro a fazer, é desconstruir a impressão de que a MP do Mandante é a MP do Flamengo. Querem apresentar a ideia em conjunto para ganharem a simpatia dos deputados e senadores. Há um entendimento de que o presidente Jair Bolsonaro não será empecilho. Logo é necessário atacar o Congresso. O ex-presidente da Casa, Rodrigo Maia (sem partido), nunca foi simpático à MP do Mandante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui