Partida entre Juventude x Flamengo deveria ter sido adiada

O gramado do Alfredo Jaconi não permitiu que os times conseguissem trocar passes e era nítido que a CBF deveria ter adiado a partida.

Diego em Juventude x Flamengo – Foto: Alexandre Vidal

UOL: Danilo Lavieri

Flamengo e Juventude entraram em campo e praticamente não conseguiram jogar bola na manhã deste domingo (27). O gramado do Alfredo Jaconi não permitiu que os times conseguissem trocar passes e era nítido que a CBF deveria ter adiado a partida. Claro que isso dificultaria bastante o calendário já complicado por causa da pandemia, mas forçar as equipes a atuarem assim é depor contra o seu próprio produto.

Fato é que os 90 minutos foram disputados, e o time do Rio de Janeiro volta para casa sem três pontos que não poderia perder na luta pelo título, ainda mais contra um time que acabou de voltar à elite e tem como meta permanecer na primeira divisão.

O curioso é que o gramado do Juventude tinha sido um dos destaques no início do Brasileirão. As equipes que até lá foram elogiavam as condições para jogo, com direito até a uma fala de Abel Ferreira interrompendo a coletiva de Marquinhos Santos para falar que até Messi gostaria de atuar por lá, o que encheu a equipe de Caixas de orgulho, como o blog mostrou ontem mesmo.

Mas hoje toda a reforma não foi o suficiente. A região da serra gaúcha sofre com chuva forte desde a manhã de sábado e, mesmo com bem menos água caindo neste domingo, as condições da grama eram impossíveis. Não tinha como ter jogo.

Como a CBF optou por manter a partida, o jeito era tentar se adaptar o mais rápido possível. Rogério Ceni falou desde o primeiro minuto para a sua equipe não trocar passes curtos e evitar o lado mais próximo aos bancos de reservas. Matheuzinho tentou um passe contrariando todas as orientações e viu o Matheus Peixoto acertar um chute espetacular no ângulo de Diego Alves.

O técnico do Flamengo até mudou no primeiro tempo tirando Michael, já que ele não conseguiria fazer nada com as condições deste gramado. Colocou Muniz, tentou fazer a equipe jogar de forma mais direta, aumentando o poder de fogo que já tinha Pedro centralizado. Mas pouca coisa funcionava.

No segundo tempo, o Juventude recuou, o Flamengo dominou praticamente todas as ações ofensivas. Pedro teve boas chances, uma delas em um giro excepcional de pivô, mas a bola raspou a trave. Problemas do gramado à parte, o Juventude pode comemorar bastante o triunfo.