Na coletiva, técnico Maurício Souza revela conversa com Rogério Ceni: “Passou tranquilidade para tocar o início desse projeto”

Com um golaço de Max, o Flamengo venceu o Nova Iguaçu por 1 a 0, na estreia do Campeonato Carioca. A partida aconteceu no Maracanã, o Mais Querido vai utilizar nos primeiros jogos o sub-20 misturado com alguns jogadores que estavam nos profissionais: Matheuzinho, João Gomes, Natan, Rodrigo Muniz e Gabriel Batista.

Após a partida, o técnico Maurício Souza participou da coletiva de imprensa e respondeu às perguntas dos jornalistas.

Sobre está satisfeito com a atuação da equipe:

“Os números do jogo retratam o resultado. Se tivesse que sair um vencedor, seria o Flamengo, por tudo que criou, teve mais posse de bola. Claro que percebemos certo nervosismo, mas acho que eles foram guerreiros, controlaram isso e mostraram que são capazes de representar o Flamengo”

Sobre conversa com o Rogério Ceni:

O Rogério Ceni me deixou muito à vontade e passou tranquilidade para tocar o início desse projeto. Claro que a gente tenta espelhar a maneira de jogar do profissional, mas nem sempre é possível, pois depende de peças que se espelhem.”

Sobre Bruno Viana, Michael, Pepê e Hugo Moura atuarem no sábado contra o Macaé:

“Existe a chance do Michael, do Hugo Moura e do Pepê. Mas o Bruno Viana, não. Ele sofreu uma fratura na mão e ainda não pode ter contato. Infelizmente, ele não vai poder jogar esses jogos.”

Sobre o Max:

É um garoto humilde, um talento muito grande. Entrou extremamente nervoso, errando coisas que não está acostumado. Mas jogador talentoso pode fazer o que ele fez. Tem um futuro brilhante e merece o que está vivendo hoje.”

Sobre o posicionamento do Lázaro:

“Lázaro é versátil, é importante que experimente outras posições. Ele está se sentindo bem jogando aberto, mas com liberdade para encostar no Muniz. É um jogador mortal perto do gol, e é ali que quero que ele jogue. Mas que entenda as movimentações para habitar essa posição no campo no momento certo.”

Sobre pressão nos garotos da base:

“Quem trabalha no Flamengo tem que estar acostumado a pressão. Independentemente do time que for para campo. Íamos buscar a vitória do início ao fim. Tivemos momento de desequilíbrio no jogo, mas não deixaram de acreditar em momento algum. Tentamos ser mais ofensivos, colocamos o Mateusão junto com o Muniz. O que vale é eles entenderem que sempre vão sofrer pressão. Quanto mais acostumados estiverem, melhor para a carreira deles.”

Sobre Maracanã sem torcida:

” A estreia é sempre complicada, com torcida ou sem torcida. Não podemos negar a força que essa nação tem com o nosso time. Gostaria muito de ver o Maracanã lotado, com torcida, empurrando esse time. Tenho certeza que teriam um rendimento ainda melhor. Mas vivemos um momento em que isso não é possível.”

Fonte: FlaZoeiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui