Medalhão pediu R$ 800 mil para jogar no Flamengo, mas Marcos Braz preferiu outra opção no mercado

Para a próxima temporada, a diretoria flamenguista está priorizando negócios como oportunidade de mercado; único jogador nível A negociando é o Rafinha

BOLAVIP: Romário Júnior

O Flamengo não deve ser protagonista nessa janela de transferências. Com um elenco recheado de boas opções e sem grandes receitas por conta da pandemia, é bem provável que o noticiário ligado ao clube seja para muitas vendas de atletas que não estejam nos planos do clube.

A ideia é não investir em reforços de peso e, se trazer algum novo jogador, será dentro do orçamento feito para a próxima temporada. O único atleta nível “A” negociando com clube é Rafinha, que está sem clube e já recebeu proposta do Mengão. A confiança é muito grande para anunciar a volta do lateral-direito ainda nesse mês.

Não é à toa também que a diretoria flamenguista não se empolgou com a negociação envolvendo o zagueiro Miranda, ex-Atlético de Madrid e Seleção Brasileira. O jogador foi oferecido, mas seu custo mensal de aproximadamente R$ 800 mil, fez com que Marcos Braz priorizasse a chegada de Bruno Viana, que acabou acontecendo.

O defensor estava sem espaço no Braga, de Portugal, e chega por empréstimo. Com isso, a contratação de Miranda está descartada. Tirando o Rafinha, o Flamengo não tem nenhuma conversa avançada nesse momento; isso pode mudar com possíveis novas movimentações no mercado.

Na visão dos cartolas, o elenco do Fla é muito bom e continua acima da média, mas não tem como fechar os olhos para eventuais oportunidades de negócio. Em contrapartida, o futuro de Rogério Ceni não está definido e tudo irá depender de como o Mengão terminará o final do Brasileirão.