Rogério Ceni fala sobre fator negativo e positivo para o Flamengo nessa reta final do Brasileirão

Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

No clássico dos milhões, o Flamengo levou a melhor e venceu o Vasco pelo placar de 2 a 0, em jogo válido pela trigésima quarta rodada do Brasileirão. Os gols do Fla foram marcados por: Gabigol e Bruno Henrique.

Após a partida, o técnico Rogério Ceni concedeu uma entrevista coletiva e respondeu às perguntas dos jornalistas.

Sobre o fator positivo e negativo para o Flamengo na reta final do Brasileirão:

Quando você depende só de si é positivo. Mas o negativo é o pouco intervalo de tempo entre os jogos. Pra mim é o mais difícil de contornar. O outro ponto de dificuldade é enfrentar uma equipe que cresceu no campeonato como o Bragantino. Descartaram o Flamengo, hoje estamos brigando novamente. Vamos ter uma briga boa. Inter e Flamengo com Atlético e São Paulo ainda com chance de título. Temos tudo pra conseguir levar o Flamengo ao seu oitavo título brasileiro.”

Sobre conquistar o primeiro título da sua carreira:

“Eu trabalho da mesma maneira, vim pra cá com um objetivo e sonho de trabalhar muito. Hoje o Flamengo se aproxima dessa briga. Por mais difícil que seja nossa tabela, depende de si próprio pro título.

Sobre o cartão amarelo para o Diego:

“A arbitragem do Klaus é muito boa, mas no caso do Diego, que tomou o terceiro, é curioso. Ele salta ombro a ombro e leva amarelo. Aí tem um pênalti, o jogador evita uma chance óbvia de gol e ele já tinha amarelo. Mas acho estranho.”

Sobre os jogadores pendurados:

“Tenho João Gomes e Gabriel pendurados, sem dúvida nenhuma, quando podemos preservar ele e ele ser importante, nós temos que fazer a mudança necessária. 50% pra preservar e outra pela necessidade do jogo.”

Sobre sicrônia entre Diego e Gerson:

“A sincronia passa pelo treinamento. Essa dupla nunca começou junto. Decisões, como Arão pra zaga, tem de se valorizadas. Diego é um cara muito bom, faz bem essa transição de frente. Claro, ainda vão faltar ajustes. Diego não é um 1º volante, mas a qualidade da posse passa por ter dois volantes dessa qualidade, mas principalmente pelo Arão vindo de trás na ausência do Rodrigo Caio”

Sobre a importância de ter Bruno Henrique:

“Bruno Henrique não se destaca só nos clássicos, na maioria dos jogos ou ele dá assistência ou faz gol. Cem gols na carreira, né? No último jogo assistência… ele é imprescindível. Jogo aéreo, explosão. Merece todos os elogios.”

Sobre a postura do Gabigol ao ser substituído:

“Nenhum jogador gosta de ser substituído. Eu vejo pelo outro lado. Cada um tem um comportamento, mas não tem problema nenhum. Sei que ele queria ficar mais tempo em campo, mas temos também o Pedro e achei que precisávamos segurar mais a bola. Não há problema nenhum. Gabriel ajudou muito na marcação, teve boa recomposição.”

Sobre o Flamengo joga no domingo e seus adversários que brigam pelo título jogar na quarta:

“Inter e Atlético jogam na quarta, só o Flamengo joga domingo. Semana passada a mesma coisa, jogamos segunda, quinta e domingo. Se a rodada quarta, por que não podemos ir até quarta.”


Sobre o elenco do Flamengo manter a cabeça no lugar para os próximos jogos e a maior preocupação:

“Manter a cabeça no lugar é fácil porque são bons profissionais. Esses caras já viveram tudo, sabem a importância de ser campeão. Bicampeão seria um feito fantástico. O problema maior é a recuperação de todos pra domingo.”

Sobre Arão:

Eu gosto muito de jogadores com construção de jogo. Flamengo é um time propositivo. Domingo enfrentaremos um time assim. Nesse tipo de formação, precisamos ter a bola. Sem comandar, precisamos marcar muito. Fico feliz em ter um time com Diego e Gérson no meio e jogando com um zagueiro, porque o Arão que fica ali. Em contrapartida ele te entrega muitas coisas boas, ele tem uma noção muito boa de cobertura.”

Sobre o próximo confronto contra o RB Bragantino:

“Se torna uma grande final. Essa rodada é um pouco mais favorável ao Inter e Atlético. Inter joga em casa, teremos que viajar, tempo menor de recuperação. Vamos enfrentar uma das equipes que joga o melhor futebol do país.”

Sobre o Internacional ser o favorito ao título:

“Inter ainda é favorito. Por pior que seja a dificuldade, a gente volta a depender só da gente.”