Flamengo economizaria mais de R$ 20 milhões em salário no ano ao vender Everton Ribeiro

Aos 31 anos e com salário altíssimo na Gávea, Everton Ribeiro não teria tão cedo uma oportunidade de mercado semelhante, e por esse valor.

Foto: Divulgação

Há cerca de dois meses, o Al Nasr, dos Emirados Árabes, disponibilizou ao mercado uma operação para a transferência de um meio-campo, que totalizava algo em torno de 6 milhões de euros – quase R$ 40 milhões – já autorizada pelo comitê olímpico daquele país, que é quem manda no futebol.

Intermediários levaram a oferta a jogadores de destaque no Brasil, como Soteldo, do Santos, e Éverton Ribeiro, do Flamengo. O meia venezuelano preferiu renovar contrato e seguir no clube paulista, apesar da diretoria santista ter aprovado a venda.

Já o jogador rubro-negro foi colocado pelo clube como opção para ser alvo da operação. O retorno para o Flamengo seria de 4 milhões de euros no ato – R$ 26 milhões – e 2 milhões de euros de bonificação – R$ 13 milhões. Segundo o jornal “O Dia”, o diretor do Flamengo, Bruno Spindel, chegou a assinar uma carta enviada ao time dos Emirados Árabes no dia 14 de janeiro com “ok”.

Trata-se, na verdade, do que se chama no mercado da bola de “mandato”. O Flamengo, ciente da operação financeira em aberto, a viu como interessante e autorizou a chegada de propostas. Mas os termos presentes no documento venceram no dia 17 de janeiro.

Agora, o clube carioca subiu a pedida para 10 milhões de euros entre pagamento e premiações, segundo o GE. Assim, o Flamengo sinaliza para os intermediários que eles terão que reduzir as suas fatias.

Éverton Ribeiro e seu empresário, Carlos Eduardo Baptista, também precisam estar de acordo com a transferência, ou seja, com os valores do pacote financeiro oferecido. E já deram o aval.

A operação é vista como vantajosa para todas as partes. O Flamengo, que investiu no atleta em 2017 o valor de 6 milhões de euros, na época R$ 22 milhões, recuperaria o investimento.

Leia também: Flamengo abre conversas para contratar o zagueiro Miranda, diz jornalista

Aos 31 anos, com salário altíssimo na Gávea, Ribeiro não teria tão cedo uma oportunidade de mercado semelhante, e por esse valor. Vale lembrar que qualquer comparação com a proposta do Al Ain por Michael não faz sentido, já que trata-se de um jogador de 23 anos. No caso de Ribeiro, seus vencimentos seriam ainda maiores. Mas ele deixa a decisão com o clube.

As convocações para a seleção brasileira neste momento não são levadas em consideração para uma valorização extra. O Flamengo, como de praxe, tenta morder uma parte maior da operação. E recusou as investidas dos últimos dias. A janela de transferência se encerra no dia 1 de fevereiro e a saída ainda não foi descartada.

Além da quantia paga pelo Al Nasr, o Flamengo economizaria mais de R$ 20 milhões por ano sem ter que pagar o salário de Ribeiro, cujo contrato vence ao fim de 2023. E poderia reinvestir em um atleta mais jovem e mais barato.

A diretoria vê a necessidade de negociar jogadores para cumprir a meta estabelecida em orçamento com arrecadação em venda: R$ 168 milhões.

Até agora o Flamengo já conseguiu receitas com as vendas de Lincoln (R$ 15 milhões) e Yuri César (R$ 32 milhões), totalizando R$ 47 milhões.

A reportagem tentou contato com representantes do Flamengo e de Éverton Ribeiro, mas eles não retornaram.

O GLOBO: Diogo Dantas

DEIXE UM COMENTÁRIO