Time de Ceni é mais letal do que o de Dome, mas deixa a desejar em comparação com início de Jesus

Rogério Ceni completou 10 jogos à frente do Flamengo e vive um momento de instabilidade. Com quatro vitórias, quatro empates e duas derrotas, acumulou duas eliminações (Copa do Brasil e Conmebol Libertadores) e vê o São Paulo liderar com folga o Brasileirão. E o ESPN.com.br analisou o início de trabalho do comandante comparando com Jorge Jesus e Domènec Torrent.

Sucesso absoluto durante a passagem pelo Rio de Janeiro, Jorge Jesus começou de forma turbulenta. Foram cinco vitórias, três empates e duas derrotas nos 10 jogos iniciais. Tropeços que quase custaram o maior feito do português: a conquista da Conmebol Libertadores.

Assim como Ceni, Mister foi eliminado na Copa do Brasil. O algoz foi o Athletico-PR sendo dois empates e uma queda nos pênaltis. O atual treinador teve esse desempenho na Libertadores, quando empatou duas vezes com o Racing e caiu nas penalidades. Por outro lado, Mister conseguiu reagir após um 2 a 0 sofrido para o Emelec, no Equador, repetiu o placar no Maracanã e avançou nos pênaltis.

Depois disso, ele perdeu apenas para o Bahia (3 a 0), no jogo seguinte à classificação heroica, Santos e Liverpool. Ao todo, Jorge Jesus teve quatro derrotas em pouco mais de um ano de trabalho. Ceni atingiu já metade em apenas dez jogos, enquanto Dome perdeu quatro jogos em 11 partidas.

Em campo, Jorge Jesus contava com os badalados reforços ‘europeus’ (Rafinha, Filipe Luís e Gerson), além de ter solucionado o problema defensivo com Pablo Marí. Após os 10 jogos iniciais, o Mister formou um time e foi com ele até o último jogo da temporada contra o Liverpool.

Por outro lado, Dome, que apostava no rodízio e sofreu com o surto da COVID-19, não formou um Flamengo versão 2020 que o torcedor pudesse saber escalação na ponta da língua. Já Rogério Ceni, que logo em seu primeiro discurso afirmou que iria buscar a base que Jorge Jesus havia montado, mas contou com muitas lesões e convocações, impossibilitando a chance de definir uma equipe titular.

Rogério Ceni, técnico do Flamengo – Foto: Alexandre Vidal

Nas estatísticas, Jorge Jesus também seguiu ‘sobrando’. A equipe com o português anotou 22 gols em 10 jogos, contra 16 de Ceni e 13 de Dome. Na defesa, todos sofreram 13 gols no mesmo período.

Em finalização, segundo o Trumedia, o time de Ceni é mais letal do que a equipe de Dome. Em 153 finalizações durante o período de 10 jogos, a equipe teve 10,4% de aproveitamento com os 16 gols marcados. O time com o catalão arriscava menos (139 tentativas) e marcou também um número abaixo. Foram 13 gols (9,3% de aproveitamento). No entanto, Ceni tem um número abaixo do que o de Jorge Jesus, que via os jogadores finalizando menos (151 vezes) em 10 jogos, mas convertendo mais (22 gols), com um aproveitamento de 14,5%.

Depois do empate em 0 a 0 com o Fortaleza, o Flamengo volta a jogar apenas no dia 6 de janeiro, contra o Fluminense, no Maracanã. Será a chance do treinador trabalhar ainda mais com o grupo para tentar se aproximar dos números de Jorge Jesus, que embalou após 10 jogos no comando.

Quando foi disputar o seu 11º jogo, o português via o Santos com dois pontos à frente na ponta da tabela. Atualmente, o Flamengo está sete pontos atrás do líder São Paulo, mas, por conta do jogo a menos, pode diminuir a diferença para quatro. Os dois times se enfrentam ainda na última rodada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui