“Profundamente lamentável”; Galvão Bueno condena ato de racismo contra Gerson e faz pedido aos responsáveis por julgamento do caso

Narrador e apresentador se posicionou sobre o ocorrido no Maracanã em jogo disputado contra o Bahia

O Flamengo venceu o Bahia em um jogaço de futebol no Maracanã pelo Campeonato Brasileiro. Porém a bola rolando ficou em segundo plano após a declaração dada pelo meia Gerson, no final da partida, em entrevista para o Premiere. O jogador acusou o meia Índio Ramirez, do Bahia, de racismo.

Com a repercussão do caso ainda em alta, o narrador da TV Globo Galvão Bueno se manifestou no programa Bem, Amigos, do canal SporTV. Para o apresentador, é inadmissível que essa ofensa tenha ocorrido e pediu a apuração e investigação de todos os fatos.

“É profundamente lamentável. É sério, é crime. É preciso ser investigado como crime. Uma coisa é certa, absoluta: não podia ter acontecido, não está certo, não cabe. Alguma coisa precisa mudar nesse sentido. A partir daí, tudo precisa ser feito com muita calma e precisão”, opinou Galvão.

Para Galvão, a reação de Gerson durante a partida leva a crer que o atleta recebeu a ofensa racista. “O Brasil e os Estados Unidos têm uma dívida impagável com os afrodescendentes por conta da escravidão. O Gerson, por quem é, pela personalidade, não ficaria revoltado daquele jeito se não houvesse injúria racial, completou.

Quem também falou sobre o caso foi o comentarista Paulo César Vasconcellos. “É necessário que se defina um código de punição, mas ela não pode ser feita só pelos homens brancos. Eles não vivem o problema. (…) Tem que ser pessoas que tenham convivência para chegar e discutir a questão. Se trancar vários homens brancos num salão e eles decidirem sobre que punição faremos por injúria racial não vai funcionar”, relatou.