Hugo Souza manda recado para menino de 11 anos que sofreu racismo

Estamos em 2020 e o racismo ainda impera na sociedade. Infelizmente, ainda noticiamos casos de preconceito no país e no mundo. Nesta semana, em um jogo de futebol da categoria sub-12, Luiz Eduardo, de apenas 11 anos, denunciou um caso de preconceito cometido com ofensas raciais durante um campeonato em Caldas Novas. Neste sábado (19), o Flamengo publicou um vídeo do goleiro Hugo Souza, em defesa do jovem atleta e deixou uma mensagem especial para o menino.

VEJA O VÍDEO COMPLETO:

– E aí Luiz Eduardo, tudo bem? Aqui é o Hugo, to aqui pra te mandar um abraço, queria te desejar força nesse momento que você passou. É complicado, eu sei como é, eu sofri na pele isso, mas eu to te mandando esse video como uma forma de te mandar um pouco de esperança, para que você entenda que você é muito maior que isso e que isso não vai te derrubar, isso só vai te dar forças, isso só vai fazer de você grande. Só é grande quem ultrapassa por obstáculos, só é grande quem consegue passa por cima de tudo isso. Força irmão, estamos juntos nessa, vou te mandar um presente, que Deus abençoe sua vida.

Além da mensagem do arqueiro, o Flamengo também se manifestou e publicou uma mensagem de apoio ao menino de 11 anos. “Não podemos mais tolerar. Não podemos nos calar. Chega de racismo! O nosso goleiro Hugo Souza deixou uma mensagem especial para o gigante Luiz Eduardo. Estamos com você, garoto! #RacismoNão.

Luiz Eduardo atua pelo Uberlândia Academy e, naquele dia, enfrentava o Set Esportes, pela Caldas Cup. O jovem ouviu, algumas vezes, o adversário sendo preconceituoso. Ao fim da partida, o garoto caiu em lágrimas. Luiz relatou aos prantos que o profissional do time adversário falava inúmeras vezes durante a partida: “fecha o preto, fecha o preto!”.

Vale lembrar que, Hugo Souza, já sofreu com ofensas de racismo quando atuava pelo sub-20 do Flamengo, em um jogo contra o Vasco da Gama. O goleiro do Rubro-Negro, na época, demonstrou insatisfação com o caso e se posicionou contra a intolerância.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui