Urubu, mascote do Flamengo, surgiu do racismo das torcidas rivais

Como o urubu virou símbolo do Flamengo? Mundo Rubro Negro reconta o momento em que o animal entrou para a história

Primeiro de junho de 1969. Maracanã. Duelo com o Botafogo, pelo Campeonato Carioca. Apavorado com os fogos de artifício na eminente entrada das equipes em campo, um urubu é arremessado ao voo. Assim, com uma bandeira rubro-negra amarrada nas patas, ele sobrevoa a torcida rival e pousa no gramado. De forma elegante, calma e histórica. Nascia o mascote do Clube de Regatas do Flamengo.

Para entender como um pássaro sem glamour virou símbolo do Rubro-Negro, entretanto, é preciso voltar algum tempo. Até a década de 1960, o mascote do clube era um Popeye, uma alusão às origens náuticas. Contudo, sem tanta identidade popular, a representação não ganhou tanta adesão.

Das arquibancadas, entretanto, os gritos das torcidas de Botafogo, Fluminense e Vasco tinham um coro uníssono em jogos no Maracanã: Urubu! Urubu! Urubu!

SIGA O FLAMENGO INFO NO GOOGLE NEWS. Acesse!

O motivo desses gritos tem ligações racistas. Por ter quase a totalidade da torcida formada por pessoas negras, o coro tinha a intenção de gerar um constrangimento que ligasse a cor da ave às dos flamenguistas. Ao passo que o racismo durante anos foi esquecido nas páginas de clubes que fingem combatê-lo.

Dessa forma, cansados destes gritos rivais, os estudantes Luiz Octávio Vaz (19 anos), Romilson Meirelles (20), Victor Ellery (18) e Erick Soledade (19) se uniram por algo que mudaria para sempre a história do clube:

“O nosso objetivo era calar as torcidas adversárias, que ironizavam o fato da torcida do Flamengo ter muitos negros. Escolhemos um jogo contra o Botafogo porque era o maior rival do Flamengo na época”, declarou o professor de educação física Luiz Octávio, ao GE, em 2009.

Um voo para a história

A intenção era que a ave deixasse de ser algo pejorativo e se tornasse uma afronta. Não só aos torcedores racistas, mas também aos que rivais. Com a ajuda de um gari rubro-negro, foram ao lixão do Caju, na Zona Norte do Rio, e pegaram um urubu.

Naquele primeiro dia de junho, clássico contra o Botafogo, maior rivalidade da época, o animal foi escondido em uma bandeira do Flamengo. Em seguida, entrou sob a sombra da história que estava por acontecer.

Primeiramente, a intenção era soltá-lo quando os jogadores subissem as escadas do antigo Maracanã. Entretanto, nervoso com os fogos, a ave quis virar lenda antes mesmo dos atletas.

Reprodução – Flamengo

O próprio Luiz Octávio relembrou à mesma reportagem:

“Até hoje me arrepio quando conto esse momento. Assim que o soltamos, ele deu uma descaída, mas depois abriu bem as asas e deu uma volta em frente à torcida do Flamengo, que começou a gritar “é urubu, é urubu, é urubu”. E quando ele passou em frente aos botafoguenses, com a bandeira tremulando, eles ficaram calados, sem reação. Ele pousou no meio do campo, e a torcida do Flamengo gritava ainda mais, incorporando o símbolo”, relembra.

Reprodução – Flamengo

A partida começou.

O Flamengo venceu por 2 a 1, quebrando um jejum de quatro anos sem triunfos sobre o Botafogo.

O urubu virou mascote.

O momento virou história.

O racismo foi calado.

E os racistas mudaram os gritos: “Favela! Favela”. Mas aí, fica para outra hora…