Fla relaciona jogadores que haviam testado positivo no Equador

Flamengo se baseia na regra da Conmebol de que o jogador está liberado após quarentena de dez dias, e relaciona sete jogadores

GE: O Flamengo relacionou para o duelo com o Independiente del Valle, nesta quarta-feira, no Maracanã, todos os sete jogadores que testaram positivo antes da partida contra o Barcelona, no Equador. A decisão foi tomada independentemente dos resultados dos exames realizados na segunda-feira.

A Conmebol segue o processo de cada país, e no Brasil a CBF indica que para liberação é preciso o atleta ter dez dias de quarentena e estar assintomático. Desta forma, não haveria risco de transmissão. Baseado nisso, o Flamengo enviou para a organizadora da Libertadores os laudos dos sete atletas que testaram positivo no dia 19 e não tiveram sintomas neste período.

Por precaução, o clube consultou a Conmebol e já teve um “OK” informal. Aguarda a oficialização.

Os sete jogadores são: Bruno Henrique, Filipe Luís, Diego, Vitinho, Matheuzinho, Michael e Isla. O ge apurou que os resultados de Bruno Henrique e Vitinho deram negativo nesta terça-feira. O clube não divulgou o resultado dos outros atletas, mas todos estão relacionados para a partida, assim como Gabigol, que se se recuperou de uma lesão muscular.

Confira os relacionados para o jogo desta quarta:

Foto: Flamengo

Agora a decisão de colocar em campo os jogadores será da comissão técnica. Os sete atletas fizeram uma atividade na tarde desta terça no Ninho. Além deles, o zagueiro Noga e o atacante Rodrigo Muniz tiveram o resultado negativo e também ficam à disposição.

Boca Juniors viveu situação parecida

O Boca Juniors tentou usar da mesma prerrogativa antes de enfrentar o Libertad, no último dia 17. A equipe argentina havia sofrido um surto no início do mês e chegou a ter 22 infectados. Na semana do jogo, a diretoria do time xeneize pediu autorização ao Ministério da Saúde do Paraguai e à Conmebol para utilizar os atletas que haviam testado positivo, mas sem potencial de transmissão.

O Libertad reagiu. Acusou a Conmebol de não cumprir o seu protocolo. A entidade, no entanto, divulgou um comunicado no qual afirmou que atualizou seu documento de recomendações médicas. Ela ressaltou que pessoas assintomáticas dez dias após testarem positivo no exame PCR podem deixar o isolamento. Na véspera da partida, porém, o Boca comunicou que todos os jogadores relacionados para a partida haviam testado negativo e, portanto, não usou de tal artifício.

Veja o comunicado da Conmebol na íntegra:

A última versão dos protocolos e documentos com recomendações sanitárias elaborados pela CONMEBOL possui data 8 de setembro, em que foi publicada no site da instituição e nas redes sociais. Desta forma, fica claro que NENHUMA ALTERAÇÃO PODERIA SER REALIZADA a pedido de qualquer pessoa ou instituição em data posterior.

Esses documentos afirmam especificamente que as resoluções e regulamentos das autoridades de cada país TEM PREVALÊNCIA sobre qualquer disposição da CONMEBOL. Permitir ou não a entrada de pessoas em seu território é obviamente uma prerrogativa de cada governo, bem como os requisitos exigidos para isso.

Tanto a CONMEBOL quanto outras organizações e empresas, bem como governos ao redor do mundo, incluindo o paraguaio, vêm fazendo AJUSTES EM SEUS PROTOCOLOS com base em evidências científicas e novas informações verificadas sobre um vírus conhecido a apenas nove meses atrás.

Nesse sentido, a Organização Mundial da Saúde, a Organização Pan-Americana da Saúde e o Center for Disease Control and Prevention dos EUA, fazem uma clara diferenciação entre os PCR (+) daqueles que estão desenvolvendo a doença e podem contagiar os outros e os PCR (+) daqueles que superaram a doença, nos quais SÃO CONSIDERADOS RECUPERADOS E JÁ NÃO CONTAGIAM.

O documento da CONMEBOL sobre Recomendações Médicas para treinamentos, viagens e competições incorporou esta noção ao definir na página 19, sob o título “Recomendações”, no terceiro parágrafo do ponto 1: “Em pessoas assintomáticas, isolamento e outras precauções PODEM CESSAR 10 DIAS APÓS a data do seu primeiro teste RT-PCR (+) para RNA do SARS-Cov-2”.

A situação que motiva este esclarecimento não é absolutamente singular ou única. Circunstâncias semelhantes foram registradas em torneios locais na América do Sul e em competições na Europa. Em todos os casos, os jogadores que não apresentavam sintomas por vários dias e cujo teste RT-PCR (+) datado de 10 ou mais dias atrás foram habilitados a jogar, PORQUE NÃO PODERIAM PROPAGAR A DOENÇA.

A CONMEBOL considera que a situação aqui analisada contribuirá para o aprimoramento dos protocolos e medidas preventivas, sempre amparadas em evidências científicas, com vistas ao desenvolvimento de uma CONMEBOL Libertadores competitiva e em condições de igualdade para seus participantes. Como tem feito até agora, a CONMEBOL CONTINUARÁ A INCORPORAR AS NOVAS RECOMENDAÇÕES DA OMS E DA OPAS aos seus protocolos, bem como nos avanços no conhecimento sobre o vírus. Ratifica-se, portanto, que continuará trabalhando em prol do esporte, cuidando da saúde da família do futebol sul-americano.