Com Domènec, Flamengo retoma pesadelos com Abel Braga

Mais do que os autoexplicativos números, o Flamengo voltou a ter atuações irregulares de Willian Arão, Diego e Gabigol.

O Flamengo sofreu uma goleada surpreendente em terras equatorianas. O time de Domènec Torrent foi batido por 5 a 0 para o Independiente del Valle e o trabalho de Torrent, que já era questionado, ganha ainda mais notoriedade negativa. Sob o comando do catalão, o clube parece viver a mesma fase da época antes de Jorge Jesus.

Enquanto ainda luta para encontrar a melhor formação e estilo de jogo para o estrelado elenco rubro-negro, Torrent vê a confiança da torcida minar e velhos problemas – em especial da época anterior à chegada de Jorge Jesus – voltam a aparecer.

Mais do que os autoexplicativos números da goleada sofrida, o Mengão voltou a ter atuações irregulares de Willian Arão, Diego e Gabigol. O volante ainda não parece adaptado às ideias de Torrent e vem tendo dificudade no setor, tanto que Thiago Maia tem se destacado nos últimos jogos da equipe carioca.

Diego voltou a ser muito cobrado pela torcida e seu desempenho em campo foi tão abaixo que Dome o tirou ainda no intervalo para a entrada de Bruno Henrique. Gabigol também decepcionou. O camisa 9 do Fla tocou apenas 14 vezes na bola durante os 90 minutos e finalizou apenas duas vezes (ambas para fora), sendo que uma delas era considerada uma grande chance de gol.

Se a torcida do Flamengo já vinha com uma desconfiança crescente a respeito do trabalho de Dome, é bastante possível que essa tenha sido uma gota d’água para que o catalão sinta a pressão que é uma das características mais fortes da nação rubro-negra.

Quando Jorge Jesus desembarcou no Rio de Janeiro em junho de 2019, o Fla vivia um momento delicado. Após muitos investimentos para montar um time forte, o descontentamento era geral sobre o trabalho de Abel Braga. O time pouco rendia em campo, tinha dificuldade de engrenar um jogo rápido e os espaços em campo eram muito grandes.

A chegada do luso mudou a sorte do Flamengo, reaproximou a torcida e trouxe um padrão de jogo claro e identificável. Além disso, parece ter trazido harmonia ao vestiário e conseguiu tirar o melhor de cada jogador. Se na época pré-Jesus, a vida de um treinador já era difícil, a vida pós-Jesus é ainda pior, pois o português elevou o sarrafo da comparação e mostrou até onde poderia chegar o elenco do time do Rio de Janeiro. E é exatamente na comparação que está o calcanhar de Aquiles de Domènec Torrent.

Na noite dessa quinta-feira (17), os mesmos espaços surgiram e o Del Valle também se valeu da altitude para impor seu ritmo com altíssima intensidade. O Independiente finalizou 20 vezes, sendo 11 no alvo, já o Flamengo chutou apenas cinco bolas e acertou o alvo apenas duas vezes, mas não conseguiu balançar as redes.

A derrota do atual campeão da Libertadores para o atual vencedor da Sul-Americana é a derrota mais elástica da história do Flamengo na Libertadores da América.

Fonte: GOAL