Rodrigo Caio, do Flamengo, doa aparelhos na luta contra covid-19

A doação ao hospital consiste em oito camas hospitalares multifuncionais e um respirador portátil "de alta tecnologia".

Rodrigo caio
FOTO: REPRODUÇÃO

GLOBO ESPORTE: Se em campo Rodrigo Caio segue sendo dúvida para o duelo contra o Santos, fora dele, a certeza é de que o zagueiro do Flamengo está bem engajado na luta contra a Covid-19. Nesta semana, a Prefeitura de Dracena, no Oeste Paulista, divulgou que recebeu alguns equipamentos do atleta, que é natural da cidade. Aparelhos que serão muito úteis a esse combate.

Conforme o município, a doação foi recebida nos últimos dias e consiste em oito camas hospitalares multifuncionais e um respirador portátil “de alta tecnologia”.

– Este equipamento de respiração mecânica pode ser utilizado tanto em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) quanto em transporte de UTI móvel – diz a publicação, que aproveitou ainda para agradecer ao zagueiro flamenguista.

Prefeitura de Dracena divulgou fotos dos equipamentos recebidos — Foto: Prefeitura de Dracena/Divulgação

Até o final desta quinta-feira (27), Dracena, que tem aproximadamente 45 mil habitantes e fica localizada a cerca de 650km da capital paulista, totalizou 546 confirmações de Covid-19 (373 curados), 14 óbitos e 26 casos suspeitos.

Outras ações
Neste ano, essa não é a primeira ação solidária abraçada pelo dracenense. Ainda durante o atual momento de pandemia, em abril, o zagueiro participou do “Desafio Corona”, em que atletas doaram camisas de seus clubes para que fossem leiloadas em prol de uma instituição assistencial que trabalha com crianças.

No mesmo período, o flamenguista fez uma postagem nas redes sociais, treinando na academia em sua casa no interior paulista. Em um dos comentários, uma pessoa escreveu que o sonho dela era ter pelo menos 30% desses equipamentos e que estava treinando com dois blocos de cimento e uma barra velha de ferro. O atleta parabenizou o internauta pela dedicação e prometeu enviar alguns dos equipamentos quando a pandemia cessar.

Deixe uma resposta