Isla perto do Flamengo: quem é o chileno que brilhou na Itália e tem até nome de rua

Provável substituto de Rafinha, lateral direito de 32 anos construiu carreira sólida no futebol europeu e na seleção chilena

GOAL: À procura de um substituto de Rafinha, o Flamengo está próximo de contratar Mauricio Isla. O lateral direito tem 32 anos e está livre no mercado após deixar o Fenerbahce.

A exemplo do brasileiro, o chileno também construiu uma carreira de sucesso na Europa. Bicampeão da Copa América, tem até nome de rua no país natal. Saiba mais sobre a trajetória do provável reforço rubro-negro a seguir!

Início e sucesso na Udinese

Isla nunca atuou profissionalmente no Chile. Foi formado nas categorias de base da Universidad Católica, mas seu primeiro clube foi a Udinese, que o contratou em 2007 após ser um dos destaques da campanha do terceiro lugar da seleção sul-americana no Mundial Sub-20 daquele ano.

O lateral direito, que também chegou a atuar no meio-campo, ficou ao todo cinco temporadas no clube italiano e deixou saudades na torcida. Foram 153 jogos disputados e sete gols marcados. 

Juventus: passagem tímida

As atuações pela equipe de Údine chamaram atenção de gigantes europeus. Barcelona, Real Madrid, Liverpool e Inter de Milão foram especulados como possíveis destinos de Isla, que acabaria na Velha Senhora.

Contratado por 9,4 milhões de euros, o chileno fez parte da equipe que conquistou dois scudettos e três Supercopas da Itália. Mas nunca foi titular absoluto. Ao todo, disputou 47 partidas pela Juve e não marcou gols.

Empréstimos pela Europa

Fora dos planos do técnico Massimiliano Alegri, Isla foi emprestado ao Queens Park Rangers em 2014. Esteve em campo em 27 jogos, mas não conseguiu ajudar a equipe a evitar o rebaixamento na Premier League.

Na temporada seguinte se aventorou por um terceiro país: a França. Foi titular do Olympique de Marselha, mas o time não foi muito bem – com exceção da Copa da França, torneio em que terminou como vice-campeão.

Em 2016/2017, seu último ano de contrato com a Juve, Isla voltou para a Itália, mas para defender o Cagliari. Recém-promovido, o time foi bem na Serie A, terminando no meio da tabela. Isla fez 35 jogos e um gol pelo clube.

Fenerbahce: o último clube

Com dificuldades financeiras, o Cagliari tentou negociar com Isla uma redução salarial, mas o lateral não acertou. Assim, abriu-se o caminho para a ida do atleta ao quarto país na Europa: a Turquia, onde atuou pelo Fenerbahce nas últimas três temporadas.

Isla atuou com regularidade na equipe turca. Foram 91 jogos, 13 assistências e nenhum gol marcado. Com o término do contrato em junho passado, ficou livre no mercado. Especulado em clubes como Boca Juniors, Valencia e Betis, deve mesmo pintar na Gávea.

Seleção chilena: o ápice da carreira

Isla teve carreira sólida na Europa, mas foi com a camisa da seleção que ele viveu suas maiores alegrias. O lateral recebeu a primeira chance em 2007, antes mesmo de sua estreia na Udinese, ao ser convocado por Marcelo Bielsa.

No ano seguinte, uma declaração do jogador reclamando do treinador argentino “grita muito comigo, jogo sempre perto dele” e falando que gostaria de se concentrar no clube poderia ter abreviado sua trajetória por La Roja. Mas aconteceu o contrário.

Isla ficaria sem ser convocado por poucos meses. Depois, disputou as Copas de 2010 e 2014, nas quais o Chile caiu nas oitavas de final contra o Brasil, e, mais importante, foi titular nas conquistas das Copas Américas de 2015 e 2016, os primeiros títulos da história da seleção.

O lateral direito continua somando convocações e esteve no Brasil na Copa América de 2019, na qual a equipe caiu na semi contra o Peru. Ao todo, ele acumula até o momento 115 jogos por La Roja, com quatro gols marcados.

Diante de tudo isso, não é de se surpreender que ele tenha status de ídolo mesmo sem nunca ter atuado no país natal – até uma rua da cidade de Buin, onde Mauricio isla nasceu, foi batizada em homenagem ao “filho ilustre”.

Flamengo: o próximo passo?

Isla, segundo o site Globo Esporte.com, já deu sinal verde para o Flamengo, e dirigentes do clube estão a caminho da Espanha, onde o jogador está morando, para selar a contratação.

O chileno chegaria com o peso da resposabilidade de substituir Rafinha, que brilhou no pouco mais de um ano que esteve na Gávea, mas agora partiu para o Olympiakos.

Isla também deve enfrentar concorrência: João Lucas, titular contra o Coritiba, deu conta do recado. Além disso, a diretoria monitora o mercado atrás de mais um lateral. Guga, do Atlético-MG, é um dos nomes da lista.