Luxemburgo diz que ‘ninguém tem inveja’ de Jesus ou estrangeiros e responde crítica de Figo: ‘Fico com o Rivaldo’

Treinador concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira após título do Paulista

Vanderlei Luxemburgo concedeu sua primeira entrevista coletiva depois do título do Campeonato Paulista com o Palmeiras sobre o Corinthians. Nesta segunda-feira, o treinador voltou a abordar dois assuntos que repercutiram no final de semana além da conquista: Jorge Jesus e a crítica que recebeu de Luis Figo.

Sobre o ex-técnico do Flamengo, agora no Benfica, o técnico declarou após a vitória nos pênaltis no Allianz Parque que não era preciso “mudar tudo” no futebol brasileiro somente pelo fato de o português ter sido campeão da Copa Libertadores e da Série A em 2019.

“Se pegar todo o contexto, pinçaram só o Jesus. Em momento nenhum denegri o trabalho do Jesus, fez um grande trabalho. Montou grande equipe, trabalho fantástico, ganhou campeonatos com merecimento. Mas, o que falei, é que o futebol brasileiro não começou depois que o Jesus chegou ao Brasil. Temos história passada”, disse.

“Outros treinadores estrangeiros estiveram no Brasil e fizeram grande trabalho. O que quis dizer é que nós, brasileiros, temos que estudar, melhorar conhecimentos, foi bom o Jesus vir para cá, para olharmos a maneira que ele trabalha, mas existe uma coisa que é meu pensamento e de outros grandes treinadores, que temos uma característica de jogar”, seguiu.

Segundo Luxemburgo, a diferença entre o futebol no Brasil e na Europa é que os europeus “sempre jogaram taticamente, com velocidade diferente” e “cada país joga de uma maneira”.

“Ele conseguiu encaixar no Flamengo jogadores que se encaixaram dentro de uma qualidade, e conseguiu montar uma equipe daquela forma. Mas foi a primeira vez que aconteceu isso no Brasil? Não existiu outras equipes que jogaram dessa forma?”, questionou.

“Jesus foi fantástico, ficou todo mundo maravilhado, fiquei também, surpreendeu todo mundo. O que precisamos é evoluir, sim, mas dentro da essência do futebol brasileiro. Aprimorar, mas manter a essência do futebol brasileiro. Nós ganhamos com a nossa essência, não do europeu. Essa discussão dos estrangeiros, eles podem e devem vir para cá, ninguém tem inveja, podemos aprender, como eles aprendem com a gente.”

Figo

Já o outro português que foi assunto da entrevista de Luxemburgo foi Figo, que reagiu a uma publicação elogiosa de Rivaldo nas redes sociais. O brasileiro disse que Luxemburgo foi o “melhor técnico” que ele teve na carreira, enquanto o ex-Real Madrid rebateu: “Para mim, foi o pior”.

“Fico com o Rivaldo. Fico preocupado com o que o Rivaldo falou. Reconhecendo que fui o melhor treinador para ele. Foram mais entradas para ver o Rivaldo do que o Figo, fico com isso”, afirmou.

“Do Figo, é coisa do futebol. Cheguei no Real em um momento que era para ele sair, o clube queria que ele saísse. E o jogador não consegue entender. Isso não quer dizer que tenho mágoa nenhuma, pelo contrário. Ele tem o direito de pensar, mas fico com o Rivaldo. Ele, como o Figo, foi um grande jogador. Deixa o Figo para lá”, encerrou.

“Flamengo é o atual campeão, candidato. O Atlético por só estar disputando o Brasileiro, treinando há bastante tempo, é candidato. Mas só do meio para frente é que vão começar a surgir as equipes que vão brigar pelo título, e a gente espera que o Palmeiras esteja nessa briga”