Sósia mirim de Bruno Henrique, do Flamengo, perde a casa em incêndio; família faz vaquinha online

Uma das grandes alegrias de Lucas Machado, de 6 anos, foi ter recebido em mãos uma camisa do atacante Bruno Henrique, do Flamengo, após o clássico Fla-Flu, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro de 2019. O pequeno sósia mirim teve o mesmo uniforme autografado e virou sensação nas redes sociais em razão da semelhança com o jogador. O presente guardado com tanto carinho acabou perdido após um incêndio atingir a casa onde viviam o garoto, seus pais e mais três irmãos no dia 26 de julho, em Parada de Lucas, na Cidade Alta, Zona Norte do Rio. A família perdeu tudo após um curto-circuito causar a destruição total da moradia. Desde então, buscam ajuda através de uma vaquinha virtual para reconstruir a residência, comprada com há cinco anos e meio, e recomeçar do zero.

Na tarde daquele domingo, por volta das 17h, Rafaella e Marcelo Machado saíram para comprar os produtos do trailer de churrasquinho que mantinham no bairro. Sempre levavam os quatro filhos para o supermercado e, logo depois, iam todos para o local do trabalho. Mas os pais deixaram as crianças se arrumando enquanto agilizavam com as mercadorias. Em menos de 20 minutos, foram comunicados que a casa pegou estava em chamas e se desesperaram pela vida dos três meninos e de a única menina.

Gabigolzinho e mini Bruno Henrique são, na verdade, Emerson e Lucas, respectivamente Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo

— Saímos e avisamos o tio deles, que estava no banho e que cuidaria deles. Estávamos no supermercado quando ele me ligou e falou que a casa estava pegando fogo. Achamos que era coisa boba, mas ele avisou que tudo se alastrou muito rápido. Me desesperei. Só pensava nos meus filhos. Mesmo sabendo que estavam bem, eu só fiquei em paz quando os vi. O mais importante é a vida deles. Os bens materiais conquistamos novamente. Infelizmente, foi uma tragédia — conta Rafaella que, além de Lucas, é mãe de Gabriel, de 14 anos, Miguel, de 11, e Marcella, de 9.

Os bombeiros chegaram rapidamente ao local, mas não foi possível salvar nada material. O fogo começou no quarto do casal, alastrou-se pelas paredes e teto até atingir outros cômodos como cozinha, banheiro e sala, onde explodiu um aparelho de ar-condicionado. Roupas, documentos, móveis, eletrodomésticos, além da estrutura da casa ficaram destruídos. A Defesa Civil do município esteve no sábado no local e informou à família que será preciso retirar os escombros e construir tudo novamente, porque há risco de desabamento da estrutura que ainda permanece em pé.

Casa do sósia de Bruno Henrique ficou destruída após incêndio. Camisas do Flamengo nos escombros Foto: Arquivo Pessoal

Por enquanto, a família conseguiu se mudar para um apartamento próximo da residência destruída, mas não têm nada. Eles estão recebendo doações de roupas, cesta básica e colchões para dormirem. Os vizinhos e amigos deram a ideia para uma vaquinha online, que foi criada por Rafaella para arrecadar dinheiro e ajudar a família a se reerguer. A meta é chegar a R$ 100 mil.

— Nosso trailer está fechado, precisávamos achar um lugar para morar para começarmos a pensar a trabalhar. Criaram uma vaquinha virtual para nos ajudar a pagar o aluguel. Mas estamos aceitando tudo, doação de roupas, tinta e material de construção, móveis, cesta básica. Não temos mais nada. Estamos desolados. Mas a gente só conseguia pensar nas crianças e em um lugar para morarmos — diz Rafaella.

Um dos cômodos da casa do sósia de Bruno Henrique, que ficou destruída após incêndio Foto: Arquivo Pessoal

Choro pela perda da camisa

A família inteira é torcedora fanática do Flamengo. Os três meninos entraram em uma escolinha do clube na Penha Circular, na Zona Norte, no fim do ano passado. Mas foi Lucas que ficou conhecido por ser sósia de Bruno Henrique. O menino ficou desesperado quando se deu conta que a camisa autografada pelo ídolo se perdeu em meio às chamas. O garoto chorou muito e só pensava que nunca mais teria um uniforme do atacante.

— Eu nem tinha noção, nem pensava na camisa. Eles estavam só com a roupa do corpo, sem chinelos. Mas o Lucas só falava: “Mãe, minha camisa do Bruno Henrique”. Eu disse que nem tinha pensado nisso, não tinha cabeça. Ele estava muito nervoso, chorou muito naquele dia, nem conseguia dormir, dizia: “mãe, não vou conseguir outra”. O Bruno deu pessoalmente naquele Fla-Flu, né? Então ele só falava: “Só queria minha blusa” — conta a mãe.

Nas redes sociais, a família fez uma campanha para conseguir uma nova camisa autografada por Bruno Henrique. Torcedores do Flamengo compartilharam e a loja do clube se sensibilizou, entregando um uniforme completo para Lucas e seus irmãos, além de outros produtos, como mochilae e ate a réplica da medalha de campeão da Libertadores de 2019.

Lucas (segundo à direita) ganhou produtos do Flamengo assim como seus irmãos Foto: Arquivo Pessoal

Extra: Marjoriê Cristine