Com prejuízo de R$ 26 milhões, Flamengo divulga balanço do primeiro semestre de 2020

A efeito de comparação, Rubro-Negro teve um superávit de R$ 38 milhões no mesmo período de 2019. Veja números atuais de receitas e despesas

Ninho do urubu
FOTO: DIVULGAÇÃO

A abrir o mês de agosto, Flamengo divulgou o seu balanço do primeiro semestre de 2020. E o impacto negativo ocasionado pela pandemia do novo coronavírus foi externado pelo clube: prejuízo de R$ 26 milhões neste período. Cabe destacar que, nos valores divulgados do primeiro trimestre, quando ainda não havia as paralisações por conta da Covid-19, o Rubro-Negro teve um superávit de R$ 53,9 milhões

Ainda a efeito de comparação, ao longo da mesma época (de janeiro a junho) em 2019, o Flamengo atingiu um superávit de R$ 38 milhões.

O balanço atual, assinado pelo presidente Rodolfo Landim e pelo vice-presidente de finanças, Rodrigo Tostes, salienta que “ainda não é possível indicar com precisão o fim da crise”. E justifica: 

– Neste ano de 2020 o calendário das competições foi significativamente alterado com suspensão a das competições e proibição de público nos estádios, a partir de março. Diante disso, parte das receitas com direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, da Copa Libertadores da América e da Copa do Brasil deixaram de ser reconhecidas no período, estando as parcelas recebidas registradas como Adiantamento no Balanço Patrimonial.

– Desde o primeiro momento o Clube tomou medidas emergenciais para o desenvolvimento e aplicação de protocolos visando com prioridade total na preservação da saúde dos atletas e funcionários do Clube e medidas de preservação das condições econômico financeiras para manter as obrigações sem default – diz outra parte do trecho do balanço.

Nos primeiros seis meses de 2020, a receita operacional líquida do Flamengo foi de R$ 320 milhões – R$ 77 milhões a menos em relação ao valor arrecado no ano passado. Por outro lado, naturalmente, os gastos também atenuaram: R$ 286 milhões de 2020 (em 2019, no primeiro semestre, foram de R$ 293).

Confira abaixo números de destaque do balanço do 1º semestre de 2020:

RECEITAS

Direitos de transmissão fixos: R$ 10,6 milhões
Patrocínio e publicidade: R$ 46,2 milhões
Bilheteria: R$ 21,8 milhões
Estádio: R$ 5,1 milhões
Sócio-Torcedor: R$ 38,6 milhões
Venda de direitos econômicos: R$ 144,2 milhões
Empréstimos e mecanismo de solidariedade: R$ 20 milhões

DESPESAS

Salários, encargos e benefícios: R$ 103,2 milhões
Direito de imagem: R$ 38,5 milhões
Gastos com negociações e baixas de atletas: R$ 23,6 milhões
Gastos com jogos e competições: R$ 20,8 milhões
Empréstimos de atletas: R$ 9,1 milhões
Amortizações de direitos de jogadores: R$ 65,2 milhões

Deixe uma resposta