Após polêmica com Flamengo e Ferj, torcedores do Fluminense criam campanha nas redes sociais para que time não dispute final

Está marcada para a noite desta quarta-feira a final da Taça Rio entre Fluminense Flamengo, às 21h30 (Brasília), no Maracanã.

No que depender de uma parte da torcida do Fluminense, porém, a equipe tricolor não entrará em campo para o clássico.

Por conta das polêmicas que cercam os direitos de transmissão da partida, torcedores tricolores usaram as redes sociais para criar a campanha #NaoJogaFluminense, pedindo que a equipe não entre em campo.

O W.O seria uma forma de retaliação ao Flamengo e a Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj).

O Fluminense foi sorteado como mandante da partida, o que, de acordo com a MP 984, publicada pelo presidente Jair Bolsonaro, lhe garante 100% dos direitos de transmissão (pois a TV Globo rescindiu seu contrato de exclusividade com a Ferj) da partida.

O clube das Laranjeiras, então, anunciou que o jogo passará na Flu TV, seu canal no Youtube. No entanto, na última terça, a procuradoria do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJD-RJ) entrou com pedido para que o clube da Gávea também possa veicular a final em seu canal.

Nesta quarta-feira, dirigentes de ambos os clubes deram declarações que mexeram ainda mais com os bastidores. Através de uma rede social, Mario Bittencourt, presidente do Fluminense, detonou a Ferj.

“Deixaremos que eles sozinhos terminem o trabalho que estão fazendo, num conluio descarado, rasgando todas as regras da competição e agora também dos direitos de transmissão”, disse.

“Se a negativa do Presidente do TJD for mantida, não será feito mais do que o óbvio, posto que a medida ajuizada e sorrateira, vergonhosa, teratológica e ilegal. Completamente ilegal. Se for revertida, ficará clara a covardia e o vilipêndio ao direito do Fluminense, bem como será desmascarado todo o sistema que há anos vem dizimando o futebol do Rio de Janeiro.”

Já Rodrigo Dunshee, vice-presidente jurídico do clube rubro-negro, disse ao GloboEsporte.com que ” o Flamengo, desde o começo, entendeu que era um absurdo dar o mando a um time só” e “que é prudente, portanto, o pedido da procuradoria ser acolhido para que haja o compartilhamento do mando de campo excepcionalmente por causa do risco de uma medida judicial. A Ferj já notificou o Fluminense a não transmitir, e pelo regulamento ela pode proibir. Existe um risco enorme de os telespectadores serem os prejudicados”.

Fonte: Espn