Flamengo já é o clube que Diego ficou a mais tempo na carreira

Desde meados de 2016 no Flamengo, Diego Ribas passou por altos e baixos e já foi de vilão a herói vestindo a camisa do clube. O fato é que, hoje, o camisa 10, enquanto cumpre quarentena, por conta da pandemia do novo coronavírus, entrou para a história sobretudo pela sua trajetória na Libertadores de 2019.

Em entrevista à FLA TV, nesta quarta-feira, Diego admitiu que as taças levantadas, com consideráveis pitadas de superação (por causa de fraturas na perna, recuperadas antes do previsto), o fizeram superar as expectativas que tinha quando deixou o Fenerbahçe-TUR para atuar no Rubro-Negro.

  • Eu sonhava com um grande título pelo Flamengo, mas a verdade é que superou as minhas expectativas. Para chegar onde chegamos hoje, em todas as áreas, foi um período de muito investimento, não só econômico, mas físico e de determinação para alcançarmos os nossos objetivos. O que me faz sonhar é ter metas, objetivos, e tenho certeza que ainda temos muitas alegrias para vivermos juntos aqui no Flamengo – falou, explicando o que o fez ir para o Fla:

“Hoje é o clube que mais tempo eu fiquei, como profissional, e eu espero ainda ficar um bom tempo por aqui”

  • Desde que joguei contra o Flamengo, nas categorias de base e profissional, onde pude sentir mais o clima da torcida, nasceu a vontade de jogar e vestir essa camisa. Com o tempo, isso só foi aumentando. Eu ia conversando com jogadores que já tinha jogado por lá àquela altura, como o Juan e o Júlio César, e passou a aumentar o meu desejo. Realizei esse sonho. Da maneira como está sendo é uma fase mais do que especial na minha carreira, ganhando títulos. É um grande prazer vestir essa camisa.

CONTROLANDO A ANSIEDADE

Aos 35 anos, Diego tem vínculo com o Flamengo somente até dezembro, mas não entrou na questão contratual – se já está em conversas por renovação ou não. E, sobre este cenário atípico, o meia analisou o “período delicado”:

  • Realmente está sendo um período delicado. Nós, jogadores, estamos procurando seguir todas as recomendações, como ficar em casa, e é uma mensagem que estamos querendo passar, até para contribuir de alguma forma. A expectativa é muito grande de poder retornar, é o que amamos, além de ter novamente o contato com vocês, torcedores, pois nos motiva a cada dia a sermos melhores. Não conseguimos precisar quando será esse dia, mas, neste momento, vamos controlando a ansiedade e a vontade. Estamos fazendo um trabalho físico com respaldo muito bom dos responsáveis do clube para voltar da melhor maneira. Creio que esse momento logo chegará e estaremos todos prontos.

Confira outros trechos da entrevista:

RELAÇÃO COM JORGE JESUS

  • Aprendi bastante com ele (Jorge Jesus), continuo aprendendo. A minha relação com ele é muito franca. Ele é bem comunicativo e apaixonado pelo que faz, e eu me identifico com essas características. Todos nós que convivemos com ele estamos aprendendo e evoluindo. Nada melhor que trabalhar com um profissional e ser humano como ele, que pode te ajudar constantemente.

TAÇAS LEVANTADAS PELOS CAPITÃES

  • O grupo é muito unido e demonstra isso com atitudes frequentemente. Foi uma decisão em conjunto para que sentíssemos juntos essa emoção, mas importante é ganhar os títulos. Todos ganham no final.

LANÇAMENTO PARA GABIGOL

  • Difícil explicar com palavras. Um dos momentos mais marcantes da minha vida (final da Libertadores, contra o River Plate). O passe eu tinha expectativa, sim, de ser um lance perigoso. O Bruno Henrique havia dado espaço para o Gabigol, que tinha acabado de fazer um gol. Vi o movimento e o espaço onde a bola poderia cair, um lugar perigoso, dentro da área, e ele (Gabriel Barbosa) foi muito feliz e conseguiu colocar aquela bola para dentro. Eu sonhei tanto com aquele momento durante a minha recuperação, visualizei muito e acreditei que isso poderia acontecer, aquela virada, aquele gol, e veio a explosão de alegria. Objetivo alcançado, lembraremos para sempre… Todos queremos ganhar de forma mais tranquila, mas quando acontece com a emoção que foi, fica mais marcante. Eu chorava, ria, gritava, abraçava meus companheiros, beijava… Era uma alegria que até hoje nos emociona quando vemos os melhores momentos. É para guardar para sempre.

RECEPÇÃO NA CHEGADA AO FLA

  • A minha chegada no aeroporto já diz tudo. Sabia da responsabilidade que estava assumindo. Prazer, orgulho e responsabilidade muito grande vestir essa camisa. Está no pacote. Senti que estava preparado para assumir essa responsabilidade quando dei o “sim”, e me senti aliviado. Aquela recepção deixou tudo mais prazeroso. Teve a minha estreia com gol, logo depois o Maracanã lotado gritando meu nome. Comentava com a minha esposa: quando eu vi a minha primeira foto com a camisa do Flamengo, as cores me pareciam familiares. Tudo se encaixou e a sensação foi ficando cada vez mais clara de que estou no lugar certo. Tanto que hoje é o clube que mais tempo eu fiquei, como profissional, e eu espero ainda ficar um bom tempo por aqui.

VOLTA CONTRA O GRÊMIO

  • Foi um jogo muito marcante porque foi quando eu voltei a jogar efetivamente. Esse jogo contra o Grêmio (5 a 0, pelas semifinais da Libertadores) que eu entrei em campo novamente, me emocionei, como os meus familiares que estavam no estádio. Foi maravilhoso. A minha sensação foi de dever cumprido e de retribuição por tudo que o Flamengo me proporcionou desde que cheguei aqui. Nem todos os momentos foram positivos, tiveram momentos duros de críticas e cobrança, mas a minha ideia sempre foi assumir a minha parcela de responsabilidade e seguir em frente. Até porque, nunca foi abandonado pelos torcedores quando mais precisei. Fico feliz de poder ter dado essa retribuição, junto aos meus companheiros, com um título histórico (Libertadores), deixando o Flamengo no patamar que ele merece.

MOMENTO MAIS COMPLICADO NO FLA

  • Momento mais complicado foi aquele da eliminação para o Athletico-PR (Copa do Brasil de 2019, quando desperdiçou um pênalti), pois é difícil, às vezes, quando você faz tudo da maneira correta, como manda o figurino, e os resultados não acontecem por detalhes. E isso, em alguns momentos, é bem frustrante. Mas a perseverança é algo fundamental para os grandes campeões. Ali foi uma decepção gigante. Mesmo diante de tantas cobranças, decidi perseverar e superar esses momentos, pois a chegada da glória valoriza toda a nossa trajetória. Visto essa camisa por amor e prazer, e sou muito feliz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui