Os 5 quesitos em que o Flamengo é nota 10

Foto: Alexandre Vidal/Flamengo/Divulgação

Em pleno sábado de Carnaval, o Flamengo foi ao Maracanã, venceu mais uma e ergueu seu segundo troféu na temporada​a Taça Guanabara, primeiro turno do Carioca. Dias antes, o Rubro-Negro já havia conquistado a Supercopa do Brasil, ao bater o Furacão por 3 a 0 no Mané Garrincha. O que faz o clube da Gávea ser tão dominante? No ritmo da maior festa popular brasileira, listamos cinco quesitos em que o Fla merece nota 10 dos jurados


1) Evolução

Este é, provavelmente, o grande diferencial do Rubro-Negro em relação aos demais clubes do futebol brasileiro: o projeto de longo prazo. A largada para se tornar o clube mais poderoso do país foi dada anos atrás, com equacionamento de dívidas pela gestão de Bandeira de Mello. Tornar o Flamengo novamente saudável financeiramente era o desafio e isso foi alcançado, às custas de temporadas pouco brilhantes e pouco prolíficas. O resultado está sendo colhido hoje: taças, credibilidade no mercado e contratações milionárias.


2) Samba-enredo

O brilho rubro-negro dentro das quatro linhas dialoga diretamente com as arquibancadas, que sempre estiveram lotadas, mas que há muito não estavam tão empolgadas e eufóricas como atualmente. A presença maciça do torcedor flamenguista, em qualquer estádio do mundo – vide Mundial de Clubes no Catar -, prova que a maior do mundo faz a diferença. Ela rege e dá ritmo ao time em campo, exatamente como samba-enredo para o desfile de uma escola.


3) Harmonia

No Carnaval, Harmonia é o entrosamento da escola de samba ao desfilar. Mais um quesito que este ​Flamengo domina, dentro e fora das quatro linhas. Trata-se de um elenco que se conhece muito bem e dialoga de forma espetacular em campo, e que apesar de recheado de estrelas, mantém um clima ameno e positivo no dia a dia. Reforços de peso vieram e foram rapidamente assimilados, sem briga de egos. O ambiente equilibrado tem feito a diferença, também.


4) Bateria

O surdo conduz o andamento do samba, o repique é responsável pelo ‘improviso’ e a caixa dá sustentação à bateria. Gerson, Arrascaeta e Willian Arão. O meio de campo do Flamengo não é o seu setor mais badalado, mas certamente é o ‘coração’ do time. E a regência que vem da área técnica também é pra lá de especial: o Mister é o Mestre da Bateria Rubro-Negra, que sustenta esse ritmo alucinante de vitórias e grandes atuações desde meados de 2019. 


5) Comissão de frente

Bruno Henrique e ​Gabriel Barbosa anotaram, juntos, 78 gols pelo Flamengo no ano passado. As estatísticas não mentem: a dupla já é uma das mais letais da história do futebol brasileiro. Em 2020, a contagem de gols já está em 9: quatro do camisa 27 e cinco do camisa 9. Como se não bastasse uma dupla titular capaz de dominar qualquer defesa adversária, o clube carioca ainda conta com opções de peso, como Pedro, Michael e Pedro Rocha no banco.

Por 90MIN

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui