Bandeira diz que não vai a CPI da Alerj sobre incêndio no Ninho

O ex-presidente Eduardo Bandeira de Mello afirmou que não vai à sessão da CPI dos incêndios da Alerj, que convocou dirigentes do Flamengo para esclarecimentos amanhã. A ideia é colocar frente a frente as famílias com os dirigentes atuais e anteriores e tentar extrair novas informações.

— Não fui convidado. E estou em Brasília. Quando me chamarem, irei com prazer — disse ao ‬’Jogo Extra’

O deputado Alexandre Knoploch (PSL), presidente da comissão, informou que recebeu o aviso de Bandeira e que ele está sujeito a condução coercitiva.

— Bandeira diz que não foi notificado mas se não vier vamos por na condução coercitiva.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou por homicídio com dolo eventual o ex-presidente do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello pelas dez mortes no incêndio do Ninho do Urubu, CT do clube, no dia 8 de fevereiro de 2019.

EXTRA apurou que as investigações constataram que serão denunciados pelo Ministério Público do Rio todos os envolvidos que tenham, de alguma forma, contribuído para que a tragédia acontecesse, o que pode alcançar do vigia da unidade até alguém do alto escalão do Flamengo.

Além do ex-cartola, outras sete pessoas foram indiciadas pelo mesmo crime e de forma dolosa, quando se assume o risco de matar: o monitor Marcos Vinicius e os Engenheiros do clube Marcelo Sá e Felipe Ponde. Os engenheiros da NHJ Danilo Duarte, Weslley Giménes e Fábio Hilário e o técnico em refrigeração Edson Colman. Além das dez vítimas fatais entre 14 e 16 anos, mais três jogadores ficaram feridos.

Na investigação, assinada pelo delegado Márcio Petra, a polícia observou os envolvidos sabiam que o contêiner tinha diversas irregularidades estruturais e elétricas; a ausência de reparos dos aparelhos de ar condicionado instalados no contêiner; a ausência de monitor no interior do contêiner e a recusa de assinatura do TAC proposto pelo Ministério Público do Rio de Janeiro para que fosse regularizada a situação precária dos atletas da base do time.

Por Diogo Dantas e Marcello Neves no Extra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui