“Tem um ano que não durmo sem remédio”, desabafa pai de adolescente morto no Ninho do Urubu

“Tem um ano que não durmo sem remédio”

Há cerca de um ano, o Brasil presenciou uma das maiores tragédias envolvendo o mundo do futebol: um incêndio no Ninho do Urubu causou a morte de dez jovens atletas das categorias de base do Flamengo. Desde então, apenas três famílias acertaram indenizações com o clube, enquanto outras ainda brigam pelos valores que consideram justos. Em meio a isso, Uelisson Cândido, pai de Pablo Henrique, uma das vítimas fatais, desabafou e fez cobranças ao clube, em rede nacional.

– Seu Rodolfo Landim (presidente do Flamengo), você tem filho? Coloca a cabeça para dormir? Tem um ano que não durmo sem remédio. Vocês sabem o preço de uma vida! Quando descobrirem o valor da vida do seu filho, saberá o valor do meu filho… Vocês vão nos enrolar e dinheiro algum paga a vida do meu filho – disse ele, durante participação no programa “Encontro com Fátima Bernardes”, da Rede Globo. Antes disso, ele já havia contestado:

– Descaso! Meu filho morreu no dia 8, sabe o dia que eu fiquei sabendo que meu filho faleceu? Quando eu vi na Globo. O gigante Flamengo tinha que tomar conta do meu filho. Eles ganharam troféu e eu ganho um caixão. Eu não tive o prazer de me despedir do meu filho.

A tragédia completa um ano no próximo sábado (08). Atualmente, o Conselho Deliberativo do Flamengo tem projeto para transformar data no “Dia da Memória Rubro-Negra”, em homenagem às vítimas do incêndio. Enquanto isso, judicialmente o clube garante buscar acordos com as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui